Tecnologia trouxe qualidade e sustentabilidade ao café brasileiro

Imprimir

A união entre qualidade e sustentabilidade é considerada um dos maiores desafios da indústria de cafés especiais para especialistas e produtores participantes do Simpósio de Cafés Especiais, em Houston (EUA). Segundo o professor de Universidade de Lavras, Flávio Borém, o Brasil consegue aliar essas duas características oferecendo um produto ambientalmente correto e de alta qualidade. "O grande diferencial do país é a tecnologia que pode trazer mais especialidade e tornar a atividade mais sustentável. E o Brasil faz isso", opina. 

Borém é um dos participantes do Simpósio que faz parte da agenda da 23ª Feira da Associação Americana de Cafés Especiais (SCAA, na sigla em inglês) realizada na capital do Texas. O professor brasileiro mostrou a importância da tecnologia em cenário de mudanças climáticas para garantir a oferta de cafés especiais produzidos de forma sustentável. "Provoquei a indústria dos cafés especiais a repensar alguns conceitos e os questionei sobre o quanto estão dispostos a aceitar novos padrões de sabor e aroma para mitigar impactos ambientais", afirmou Flávio Borém. "Ainda há muito receio desse segmento em ligar tecnologia à produção de cafés especiais e isso é um erro", completa. 

Reconhecimento 

O professor acredita que o mercado está redescobrindo o café brasileiro ao reconhecer os grãos especiais do país. Trata-se de um movimento recente, afirma Borém, já que o Brasil historicamente é conhecido e visto como um grande produtor do café como commodity. "Os concursos de qualidade como o Cup of Excellence tem contribuído para que o mundo desperte para os cafés especiais do país", enfatiza. 

"O grande desafio do país para o futuro é valorizar seus especialistas, saber identificar as micro regiões de cafés especiais e as melhores variedades para essas regiões", sinaliza. Para o professor, governo, produtores e indústria precisam ter uma estratégia única para fortalecer e consolidar a marca Cafés do Brasil. 

José Francisco Pereira, produtor e exportador de café da fazenda Monte Alegre, no sul de Minas Gerais, acredita que a nova realidade de mercado, com preços mais alto praticados no mercado internacional, vai incentivar os produtores a investirem mais em qualidade. Na opinião de Pereira, em anos anteriores, com preços deprimidos, a grande preocupação do cafeicultor era reduzir os custos de produção para se manter na atividade e, o cenário atual, pode estimular a ampliação da oferta de cafés de melhor qualidade. O produtor de Pouso Alegre apresentou, nessa quarta-feira, 27 de abril, para a plateia de mais de 400 estudiosos, produtores e representantes da indústria presentes no Simpósio de Houston, todas as etapas de produção, desde a lavoura, passando pelo beneficiamento, escolha dos frutos até a granelização para se obter um produto de alto padrão. 

Na manhã desta quinta-feira, 28 de abril, os debates ficaram em torno do combate à pobreza e à fome por meio da cafeicultura. O público do Simpósio assistiu a um documentário sobre projetos com pequenos cafeicultores de baixa renda da Nicarágua e do México que estão diversificando a produção após a colheita do café. A finalidade do projeto é promover a segurança alimentar nessas regiões mantendo os produtores na atividade de produção de café. O trabalho reúne várias organizações dentre elas a Catholic Relief Services, uma agência humanitária internacional fundada nos Estados Unidos, que teve como representante no Simpósio, Michael Sheridan, coordenador de um projeto para ajudar produtores do México, Guatemala, Nicaragua e El Salvador a acessar o mercado de cafés especiais. 

O Simpósio da SCAA segue até às 16h30 de hoje (horário local) no hotel Hilton Americas. Às 17h30 haverá a abertura oficial da 23ª Feira da Associação Americana de Cafés Especiais, com o discurso do Diretor do Departamento do Café do Ministério da Agricultura, Robério Silva A cerimônia será realizada no centro de convenções George R. Brown, Houston, Texas. A feira, aberta ao público entre os dias 29 de abril e 1º de maio, é o maior evento mundial e café e terá nesta edição o Brasil como país tema.

Fonte: Ascom Mapa / Cafés do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *