Pausa para o cafezinho: Família de cafeicultores inicia colheita de café especiais na região da Mata de Minas

Imprimir
O pausa para o cafezinho desta semana é sobre uma encantadora família de cafeicultores que com muito trabalho, dedicação, amor e união,  já estão colhendo a sua primeira safra de cafés especiais.

Em 2011, Marcionilia Venancia Ramos mais conhecida como Nilla, e seu marido Zenilton Bourguignon decidiram sair de Ipatinga-MG,  abandonaram suas carreiras aonde Nilla era instrutora do centro de formação de condutores, e o marido construtor, para começarem um novo ciclo com o cultivo de cafés.

E através desta decisão tiveram suas vidas transformadas  quando se mudaram para São Sebastião do Anta, município do estado de Minas Gerais situado no Vale do Rio Doce, região da Mata de Minas.

Uma região que se destaca por cafés de qualidade, com um cenário de encher os olhos pela sua beleza natural esculpida entre montanhas e vales.

Nilla relata que essa transição da zona urbana para a rural não foi fácil no começo, ela que estava acostumada a trabalhar e ter sua própria renda começou a se sentir frustrada, chegou a ter depressão por ficar somente em casa cuidando dos afazeres domésticos.

E depois de um complicado período, decidiu que era o momento de buscar soluções dentro do campo, enxergou a importância econômica da atividade feminina na cafeicultura familiar, queria participar mais ativamente dos negócios da família, inclusive nas decisões financeiras e entender mais sobre o processo de produção do café.

Através de muitas pesquisas na internet, Nilla foi conhecendo mais sobre cafés especiais,  e sua esperança foi renovada, começou a ter uma uma interação maior em casa com o marido Zenilton que aceitou encarar o mercado de cafés especiais, Nilla conta com muito carinho a grande gratidão que tem pelo marido, que sempre esteve disposto a mudar a forma de pensar para manter a família unida e feliz.

E com essa sensibilidade, e olhar apurado Nilla foi se aperfeiçoando, e encontrando suporte através de mídias sociais como o instagram para fazer essas conexões fora da porteira, ficando assim mais próxima dos consumidores e clientes.

Iniciaram este ano a sua primeira colheita de cafés especiais, um café arábica de cultivar catucaí vermelho produzido com muita perseverança, o coração de Nilla e de seus familiares transborda de alegria por essa conquista, já que antes só produziam café  commodity.

Em tempos difíceis de coronavírus,ela conta que a principal prevenção que estão tendo é o distanciamento social dentro da fazenda, enquanto Nilla vai para a colheita de um lado,  seus parceiros estão do outro lado, tendo contato apenas por telefone, é importante não ter aglomerações neste momento ressalta ela.

Nilla reforça o papel das mulheres na zona rural, que participam diretamente da produção, do operacional, e principalmente da colheita e pós-colheita, mas percebe que muitas ainda participam pouco na tomada de decisão referente a comercialização do café.

E por essa razão já ensina suas filhas Larissa, Serena e Linda Elena todas as atividades realizadas dentro da propriedade, inclusive uma das filhas  Serena de 6 anos é praticamente uma mini barista, está bastante ativa no instagram aonde compartilha vídeos  com dicas de suas aventuras neste universo cafeínado com  a naturalidade, leveza, doçura e  pureza de uma criança que encanta!

O desejo de Nilla, é que quando suas filhas crescerem possam cuidar dos negócios da família, participando ativamente de  todos os processos, inclusive na parte financeira,respeitando a natureza, as pessoas  e o ambiente em que vivem sem precisarem recorrer a cidade grande em busca de trabalho, mantendo acessa a tradição de produção de cafés especiais  da família, valorizando e preservando este grão que é hoje a única  fonte de renda da família para futuras gerações.

O café especial simboliza um novo ciclo de independência para Nilla, um divisor de águas. Resgatando valores como respeito, igualdade, inovação, e construção de uma nova história junto com a sua família.

Que entre tantas oscilações e mudanças, possamos buscar  sempre os melhores sentimentos, renovando a nossa esperança através do exemplo de superação de Nilla, que nos impulsiona a não desistir e lutar pelo futuro da cafeicultura no país, fortalecendo todos os elos da cadeia produtiva, em especial os pequenos cafeicultores, torrefadores e cafeterias .

Nilla e Serena deixam também um breve recado  para todos os leitores do blog do madeira.

Quer conhecer um pouco mais sobre a história dessa família de cafeicultores?

Instagram: @cafe_bourguignon @baristaserena

E você, o que achou da nossa matéria? Compartilhe conosco!

 

 

Lilian Trigolo
Coffee Lover-apaixonada pelo universo do café, e toda a sua cultura cafeeira, formada em Administração de Empresas com Ênfase em Comércio Exterior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *