NY encerra operações com alta de 0,75 pontos na posição março

Imprimir

N.Y. encerrou as operações com alta de 0,75 pontos na posição março, no decorrer do dia trabalhou entre a máxima de +2,90 e mínima de -0,25 pontos.

O dólar fechou com queda de 0,36% nesta terça-feira. O mercado de câmbio acompanhou o fortalecimento do euro e das commodities. As bolsas europeias, por exemplo, tiveram boa recuperação, parte desse otimismo é atribuído ao resultado positivo dos leilões de títulos feitos por países da periferia da Europa. O Banco Central voltou a fazer dois leilões de compra de dólares, no primeiro, a taxa de corte foi definida em R$ 1,6727 e no segundo, fixou a taxa de corte em R$ 1,6758. Ainda segundo o BC, as reservas internacionais caíram US$ 129 milhões ontem, para US$ 290,632 bilhões, no conceito de liquidez internacional. No mercado, os agentes têm expectativas de novas medidas do governo ou por mais intervenções do Banco Central. Isso porque, se for confirmada amanhã uma elevação da taxa Selic em 0,5 ponto porcentual, para 11,25% ao ano, a tendência de entrada de recursos externos cresce e o dólar deve seguir em queda.

Desde 1997, o Brasil conta com um importante arranjo institucional para consolidação da sua liderança mundial no agronegócio café: o Consórcio Pesquisa Café, criado por iniciativa de dez instituições tradicionais de pesquisa cafeeira, representantes dos doze estados produtores. As Instituições fundadoras são: Instituto Agronômico de Campinas (IAC), o Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), a Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro (Pesagro), a Universidade Federal de Viçosa (UFV), a Universidade de Lavras (Ufla), o Minist&eacut e;rio de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Integradas e unidas por canais formalizados e eficazes, as instituições de pesquisa e extensão rural fundadoras do Consórcio Pesquisa Café consolidam um modelo de trabalho institucionalizado e único, que tem resultado em melhores e maiores benefícios para a sociedade e o setor cafeeiro. Esse arranjo inovador é responsável pela execução do Programa de Pesquisa em café, cuja gestão é feita pela Embrapa Café. O Consórcio Pesquisa Café possui um conselho diretor, constituído pelos titulares de cada uma das 10 instituições fundadoras do consórcio e presidido pelo diretor-presidente da Embrapa. Esse conselho possui atribuições de analisar propostas de alterações no consórcio; o rganizar, orientar e supervisionar a execução do Programa Pesquisa, incluindo a aprovação de aspectos técnicos e alocação de recursos e o estabelecimento de normas e procedimentos. Com a mudança de governo, ocorrem substituições de dirigentes em algumas instituições e dessa forma o conselho diretor recebe nova composição. Hoje toma posse o novo diretor do Iapar, Florindo Dalberto que também passa a ser membro do conselho diretor do Consórcio Pesquisa Café. “O Iapar é um grande parceiro da Embrapa Café e do Consórcio Pesquisa Café. O Florindo já é nosso companheiro há tempos, conhece muito bem o consórcio e temos certeza que sua gestão será muito positiva”, afirma Mirian Eira, gerente geral da Embrapa Café. Além disso, completa a gerente, o pesquisador Armando Androcioli, que atuava como coordenador institucional do Iapar junto ao Consórcio, assume a Diretoria Técnica, aproximando ainda mais a nova diretoria da Instituição com o Programa Pesquisa Café.

Os preparativos para a realização do VII Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil já foram iniciadas. O evento, realizado pelo Consórcio Pesquisa Café e já tradicional no meio cafeeiro, ocorrerá em Araxá-MG, de 22 a 25 de agosto de 2011. Esta edição estará a cargo das instituições consorciadas mineiras – Epamig, Ufla e UFV. A Embrapa Café, coordenadora do Programa Pesquisa Café do Consórcio, é co-organizadora do evento. O tema é “Articulação em Redes de Pesquisa e Novas Fronteiras do Conhecimento”. “É a idéia de união de esforços para o avanço da cadeia do agronegócio café tendo em vista o aumento da competitividade da cafeicultura brasileira sem perder de vista a sustentabilidade, a pres ervação ambiental, o desenvolvimento dos agricultores familiares e o resgate da cidadania pelo exercício da intelectualidade. União de esforços é a linha mestra da filosofia do Consórcio Pesquisa Café e vêm de encontro aos mais modernos conceitos de inovação e de desenvolvimentos de soluções tecnológicas”, adianta o presidente da comissão organizadora, Gladyston Carvalho, da Epamig. Para esta edição, espera-se a presença de mil participantes – entre pesquisadores, técnicos, professores, estudantes universitários, extensionistas, lideranças de associações e cooperativas, empresários e produtores agrícolas interessados no desenvolvimento do agronegócio café, imprensa especializada e comunidade em geral – e a apresentação de cerca de 500 trabalhos científicos. “É um a oportunidade de reunir a comunidade científica envolvida em trabalhos com café, de forma a propiciar um fórum muito especial para a reavaliação das linhas de pesquisa, identificação de problemas emergentes e a formação de equipes multidisciplinares de pesquisa. Além disso, ao reunir também os diversos setores do agronegócio café, torna-se excelente ambiente para a integração das indústrias e do setor privado da produção à pesquisa, quer seja pela identificação de demandas, quer seja pela formação de parcerias estratégicas”, destaca o gerente de pesquisa e desenvolvimento da Embrapa Café, Paulo César Afonso Jr. A programação contará, além da apresentação de palestras, mini-cursos para atualização tecnológica e painéis de discu ssão de temas relevantes para a pesquisa. Conta-se com a presença de renomados pesquisadores e expoentes do agronegócio para a discussão de diversos temas de destaque na atualidade cafeeira. “O objetivo é divulgar e discutir os avanços conseguidos no desenvolvimento de conhecimentos, tecnologias e produtos em prol do agronegócio café”, completa a gerente geral da Embrapa Café, Mirian Eira. Os Simpósios de Pesquisa dos Cafés do Brasil já fazem parte da agenda brasileira de desenvolvimento científico e tecnológico desde 2000, quando foi realizado o primeiro evento pelo Consórcio Pesquisa Café. A partir do próximo mês de fevereiro terá início o recebimento de trabalhos para o evento.

Fonte: Infocafé – informativo diário, da Mellão Martini

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *