Campanha Hora Certa, da Cooparaiso, supera expectativas

Imprimir

A 12ª edição da Campanha Hora Certa da Cooparaiso, que aconteceu de 11 a 13 de setembro, superou todas as expectativas em vendas, faturamento e público. Neste ano o evento caracterizou-se por inovações, como a Gincana da Hora, o Espaço Mulher e o novo local – Parque de Exposições João Bernardes Pinto Sobrinho. Mais de 5 mil pessoas visitaram a feira, que teve seu público recorde.

O evento agradou os produtores, como é o caso do cafeicultor Alexandro Cardoso, de Bom Jesus da Penha, proprietário do Sítio Penha. Ele disse que a feira recebeu melhorias significativas. “Neste ano há mais empresas expondo, com muito mais novidades”, conta.

A primeira atração da Hora Certa foi a gincana “Da Hora”, com a participação de 400 jovens que vivem em propriedades rurais, ligados à comunidades rurais paraisenses e da região de núcleos da Cooparaiso. Os adolescentes assistiram à palestra apresentada pela consultora do Sebrae, Andréa Salerno, que falou sobre “O Jovem no Meio Rural”.

“O futuro da cafeicultura e a busca pela melhoria na qualidade do café estão nas mãos desses jovens”, destacou a consultora. Ela também falou sobre questões ambientais, sobre a importância do café para a economia brasileira e sobre o valor do produtor. No período da tarde os alunos participaram de diversas provas da gincana, todas com conteúdo educativo.

Realizada pela Cooparaiso em parceria com a empresa Bayer, a gincana premiou a equipe ganhadora da comunidade Faxina com um Ipad, a segunda colocada, Guardinha com um netbook e a terceira, Termópolis com um microsystem.

Negócios – O diretor comercial da cooperativa, Rogério Araújo disse que, com o aumento das instalações e o grande número de fornecedores – 90 empresas, a Hora Certa 2012 foi um sucesso de vendas e oportunidades. “Estamos muito satisfeitos porque a Hora Certa era uma criança, hoje é um adolescente e caminha para sua plenitude de sucesso”, comparou o diretor.

Rogério ainda disse que, com a feira em um espaço mais amplo, possibilitou novas parcerias nesse ano. “Além das 90 empresas parceiras de insumos, produtos, da marca Valtra de tratores, implementos e maquinários, conseguimos atrair o comércio paraisense com seus produtos e serviços, concessionárias de veículos e a rede bancária, com novas modalidades de financiamentos”, destaca.

A redução dos juros na modalidade do financiamento Finame (Financiamentos de Máquinas e Equipamentos), com taxas a partir de 2,5% ao ano, é uma das mais atrativas. Antes, os juros estavam em 5,5% ao ano e, com a nova resolução do governo, há redução significativa nas parcelas para aquisição de máquinas agrícolas e outros tipos de equipamentos.

O produtor e médico Rodrigo Safatle, proprietário do sítio São Paulo, na região rural da Faxina, em São Sebastião do Paraíso, esteve no segundo dia da feira para adquirir um trator, uma adubadeira, pulverizador e varredeira. “Vou comprar à vista e outra parte financiada”, contou o produtor.

Rodrigo disse que realmente a feira apresenta condições especiais. “estive pesquisando os preços e condições de pagamento e encontrei valores muito atrativos e condições imbatíveis de financiamentos”, disse.

Atenção à mulher cooperativista – Na maior edição de sua história, a Hora Certa também teve diversas atrações para as mulheres, cooperadas, produtoras e esposas de produtores e trabalhadores rurais. Durante todo o dia elas tiveram a oportunidade de fazer cursos de arranjos florais e arte em chinelos.

A presidente da Associação Comunitária do Retiro, bairro rural de Pratápolis, produtora de café, Jacineura Oliveira Reis, disse que a aula foi muito interessante e que vai levar até as mulheres de sua comunidade e ensiná-las. “É uma terapia e ajuda a pessoa a adquirir uma renda extra”.

As mulheres também participaram da transformação no espaço beleza com a promoção “Mude meu Look”, através de patrocínio de empresas parceiras, que deram serviços de cabeleireiro, maquiagem, roupa, sapato e acessórios, além de sorteio de brindes especiais e massagem terapêutica.

Outras atrações – Os visitantes do segundo dia da Campanha tiveram a oportunidade de assistir palestras técnicas sobre os efeitos climáticos sobre a lavoura cafeeira e como os pesquisadores estão trabalhando para minimizar os prejuízos da seca ou das chuvas sobre a qualidade do café.

A feira ainda contou com estandes de orientação quanto à certificação, georreferenciamento e Norma Regulamentadora 31. Os aventureiros puderam sobrevoar o local com um balão panorâmico. Para as crianças, a fazendinha com mini animais chamaram a atenção.

O diretor da Cooparaiso, Rogério Araújo finaliza que a Hora Certa deve crescer ainda mais. “Ano que vem esperamos cerca de 90 empresas expositoras, tornando a Hora Certa uma referência regional”.

Fonte: Ascom Cooparaiso

Campanha Hora Certa da Cooparaiso supera expectativas

Nos dias 21, 22 e 23 de setembro a Cooparaiso realizou a 11ª Campanha Hora Certa. A feira agrícola proporcionou aos cooperados, e demais produtores rurais, oportunidades de ótimos negócios para a próxima safra. Além das facilidades e benefícios para os visitantes adquirirem os produtos que vão utilizar na lavoura, a feira é uma oportunidade para que os fornecedores divulguem suas marcas e mantenham este contato direto com o consumidor.

O Gerente da Divisão de Máquinas, Durval Ricz, diz que este "corpo a corpo é muito importante, não só pelo aspecto financeiro, pela rentabilidade que possa ser conseguida no evento, mas muito mais pela divulgação do nome, pelo conhecimento. Numa feira destas sempre há troca de informações entre produtor, fabricante e fornecedor, por isso a grande vantagem de se participar da feira". Nesta edição da Hora Certa participaram 80 fornecedores entre maquinários, insumos agropecuários, veterinários e serviços, além da atrações como o teatro "Plantando o 7", da companhia Sia Santa em parceria dom a empresa FMC, cursos de maquiagem e arranjos florais e a fazenda de mini-animais para o público.

Durante os três dias de Hora Certa, a Cooparaiso recebeu na feira 4 mil visitantes entre produtores rurais, familiares e demais pessoas ligadas ao meio agrícola. Márcio Luiz dos Santos, produtor de Alterosa, visitou a feira pela primeira vez e gostou das opções que pode conferir nos estantes. "Tendo opção você pode cotar preços, comparar qualidade, e para o produtor isto é bom para que ele possa conhecer os maquinários. Às vezes, a gente fica trabalhando na lavoura e não conhece o que tem de novidade no mercado e a feira ajuda pois traz isto para nós", comenta. Wlaudimir Martins que já participou de três edições da Hora Certa, diz que "teve muita opção este ano. Em matéria de fertilizantes, teve muita coisa nova para a gente. A cada ano que passa a feira está melhor".

As ofertas de tecnologia e a acessibilidade dos fornecedores com os produtores também garantem bom fluxo na feira, não apenas relacionado a lucratividade, mas também à troca de conhecimento e de relação de quem oferece para quem utiliza o produto. O cooperado Edir Borges da Fonseca veio com algumas intenções e, conversando com alguns fornecedores, optou pelas melhores escolhas. “Achei bom, visitei vários estandes. Eles têm palestras, divulgam bem os produtos e alertam o produtor contra produtos ruins. Estou notando que cada ano melhora um pouco. Vim para ver qual produto melhor vai me servir na hora que eu precisar, e ainda levei algumas coisas”, comenta o produtor que já visitou edições anteriores e diz que a cada ano as opções e ofertas estão melhores.

Teatro

Outra atração que movimentou ainda mais a Hora Certa foi a peça de teatro Plantando o 7, da Companhia Sia Santa. Com o palco montado na extremidade oposta da feira, os atores dirigidos por Jorge Fantini se apresentaram nos dias 21 e 22 para mais de 600 crianças da rede municipal de educação e demais visitantes. “Nas quatro apresentação atendemos crianças e adolescentes que de alguma forma estão ligados à área agrícola, isto é muito importante. E a alegria de eles estarem aqui com a gente, muitos que nunca tinham ido a teatro, para mim, para o meu grupo, para os meus técnicos é uma maravilha”, ressalta o diretor da peça.

Regina Nunes, diretora da Escola Municipal de Termópolis, trouxe os alunos para participarem do teatro, que tem como tema, a preservação ambiental e os cuidados com a natureza. Segundo ela, é um desafio hoje manter no campo, quem está no campo e, com este tipo de apresentação, “a criança aprende desde cedo como cuidar da lavoura, como usar os fertilizantes e vão criando um vínculo maior com o campo. Chegando em casa elas vão contar para os pais e vão se sentir importantes passando informações para eles. O teatro superou nossas expectativas”.

Fontes: Assessoria de Imprensa Cooparaiso e TV Alterosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *