Arábica x Conilon: entenda as diferenças na produção e no consumo do café

Imprimir
Minas Gerais é o principal estado produtor e exportador de café do Brasil, com a maior parte da produção do país. Com lavouras quase 100% formadas por café arábica, as regiões Sul e Sudeste se destacam, sendo responsáveis por 29,5% da produção nacional em 2017. No entanto, na região Norte, muitos produtores optam pelo plantio do café conilon, ou robusto, assim como em estados como Espírito Santo, Rondônia, Bahia e em parte do Rio de Janeiro. Mas, afinal, qual a diferença entre os dois tipos?

Cromossomos
Talvez a primeira coisa a ser dita é que os dois são espécies diferentes de café e, portanto, tem características específicas próprias, como o número de cromossomos e o formato dos grãos. Enquanto o arábica tem 44 cromossomos, que conferem ao café diferentes nuances e sabores, o conilon tem apenas 22, com menos peculiaridades.

Café arábica tem mais cromossomos do que o conilon (Foto: Viola Júnior)
Café arábica tem mais cromossomos do que o conilon (Foto: Viola Júnior)

Bebida
O arábica produz uma bebida suave, conhecida pelo seu caráter mais refinado. As nuances de sabores proporcionam também diferentes doçuras e acidez, resultando nos chamados cafés ‘gourmet’, que podem ser puros ou em blends. Já o conilon resulta na bebida dura, que geralmente é utilizado em blends, muito consumidos na maioria dos lares brasileiros.

Bebida suave é mais apreciada no mundo todo (Foto: Lucas Soares)
Bebida suave é mais apreciada no mundo todo (Foto: Lucas Soares)

Açúcar e cafeína
Mais adocicado, o arábica tem um teor de 6 a 9% de açúcar, contra 3 a 7% do conilon. O teor de cafeína, no entanto, é mais baixo, com 1,2% em média contra 2,2% do robusta. Esses índices interferem diretamente no sabor, já que conferem ao segundo um amargor maior.

Lavouras
A região onde os pés são plantados influencia diretamente na qualidade dos grãos e no tipo de café escolhido. O café conilon geralmente é plantado até um máximo de 800 metros de altitude, se concentrando em regiões mais baixas e próximas do litoral e é mais produtivo. Enquanto isso, o arábica precisa de mais cudiados e produz menos, mas devido ao seu sabor acaba sendo mais consumido.

Café arábica é plantado acima de 800m (Foto: Viola Júnior)
Café arábica é plantado acima de 800m (Foto: Viola Júnior)

Produção e fator econômico
Mesmo o arábica sendo menos resistente às doenças e produzindo menos floradas do que o conilon, estima-se que ele seja responsável por 70-75% da produção mundial.

No Brasil, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento, a produção de café deve ficar entre 43,6 e 47,5 milhões de sacas em 2017, sendo entre 35 e 39,9 milhões de sacas de arábica e 8,64 a 9,63 de conilon.

Minas Gerais deve ser responsábel por mais da metade da produção de café no país, com 25,4 a 26,81 milhões de sacas. Delas, apenas 308,6 mil de conilon – Espírito Santo é quem mais produz, com 4,6 a 5,3 milhões, seguido de Rondônia, com 1,9 a 2 milhões e Bahia, com 1,6 a 1,8 milhões.

Produção pode chegar a 47,5 milhões de sacas em 2017 (Foto: Viola Júnior)
Produção pode chegar a 47,5 milhões de sacas em 2017 (Foto: Viola Júnior)

Confira abaixo um resumos das principais diferenças entre as duas espécies:

Fonte: G1 Sul de Minas (Por Régis Melo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *