Valorização do café no Exterior agrada setor

Imprimir

O resultado das exportações de café reforça a tendência do Brasil de perda de competitividade em produtos industrializados. Enquanto as vendas externas de café verde aumentaram quase 75%, o café solúvel, por exemplo, registrou queda de 12% no mês de janeiro. Mas os representantes dos dois setores estão satisfeitos com a valorização do produto no mercado internacional.

A safra recorde e os preços em alta beneficiaram as vendas externas de café verde. O volume exportado aumentou 24% entre janeiro deste ano e o mesmo mês em 2010. Já a receita subiu quase 75%. Segundo o Conselho dos Exportadores, o Brasil conseguiu também aproveitar espaços deixados pelos concorrentes.

Nós tivemos uma disponibilidade interna maior aliada ao fato de que nosso principal concorrente na faixa dos arábicas, que é a Colômbia, teve problemas de produção, sofreu uma redução grande na sua produção – informa diretor do Cecafé, Guilherme Braga.

A indústria de café solúvel não conseguiu aproveitar o momento favorável. Mesmo com preços internacionais em alta, o segmento registrou queda de mais de 15% no volume vendido e de 12% na receita. A Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics) avalia que as perdas, em parte, têm a ver com a falta de competitividade do produto brasileiro.

A reação natural do comprador é reduzir as compras e distribuir o que ele tem de estoques. É uma forma de se segurar dessa alta, na expectativa de que essa alta vai se reverter. Se o Brasil está com um preço mais alto e outros países tem condições até de matéria-prima mais barata, tem condições de vender mais barato e mais competitivo, também dificulta – diz diretor-executivo da Abics, Roberto Ferreira Paulo.

A expectativa dos dois segmentos para o restante do ano é exportar um volume menor. No café verde essa queda deve ser de 9%, no solúvel, o volume embarcado deve ser 6% menor. Mas o Cecafé e a Abics projetam manutenção dos preços internacionais em alta, assim, a receita com o café verde deve aumentar 3%, e a do solúvel deve crescer menos de 1%.

Fonte: Canal Rural

Valorização do café no Exterior agrada setor

O resultado das exportações de café reforça a tendência do Brasil de perda de competitividade em produtos industrializados. Enquanto as vendas externas de café verde aumentaram quase 75%, o café solúvel, por exemplo, registrou queda de 12% no mês de janeiro. Mas os representantes dos dois setores estão satisfeitos com a valorização do produto no mercado internacional.

A safra recorde e os preços em alta beneficiaram as vendas externas de café verde. O volume exportado aumentou 24% entre janeiro deste ano e o mesmo mês em 2010. Já a receita subiu quase 75%. Segundo o Conselho dos Exportadores, o Brasil conseguiu também aproveitar espaços deixados pelos concorrentes.

– Nós tivemos uma disponibilidade interna maior aliada ao fato de que nosso principal concorrente na faixa dos arábicas, que é a Colômbia, teve problemas de produção, sofreu uma redução grande na sua produção – informa diretor do Cecafé, Guilherme Braga.

A indústria de café solúvel não conseguiu aproveitar o momento favorável. Mesmo com preços internacionais em alta, o segmento registrou queda de mais de 15% no volume vendido e de 12% na receita. A Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics) avalia que as perdas, em parte, têm a ver com a falta de competitividade do produto brasileiro.

– A reação natural do comprador é reduzir as compras e distribuir o que ele tem de estoques. É uma forma de se segurar dessa alta, na expectativa de que essa alta vai se reverter. Se o Brasil está com um preço mais alto e outros países tem condições até de matéria-prima mais barata, tem condições de vender mais barato e mais competitivo, também dificulta – diz diretor-executivo da Abics, Roberto Ferreira Paulo.

A expectativa dos dois segmentos para o restante do ano é exportar um volume menor. No café verde essa queda deve ser de 9%, no solúvel, o volume embarcado deve ser 6% menor. Mas o Cecafé e a Abics projetam manutenção dos preços internacionais em alta, assim, a receita com o café verde deve aumentar 3%, e a do solúvel deve crescer menos de 1%.

Fonte: Canal Rural 

Valorização do café no exterior agrada setor

O resultado das exportações de café reforça a tendência do Brasil de perda de competitividade em produtos industrializados. Enquanto as vendas externas de café verde aumentaram quase 75%, o café solúvel, por exemplo, registrou queda de 12% no mês de janeiro. Mas os representantes dos dois setores estão satisfeitos com a valorização do produto no mercado internacional.

A safra recorde e os preços em alta beneficiaram as vendas externas de café verde. O volume exportado aumentou 24% entre janeiro deste ano e o mesmo mês em 2010. Já a receita subiu quase 75%. Segundo o Conselho dos Exportadores, o Brasil conseguiu também aproveitar espaços deixados pelos concorrentes.

"Nós tivemos uma disponibilidade interna maior aliada ao fato de que nosso principal concorrente na faixa dos arábicas, que é a Colômbia, teve problemas de produção, sofreu uma redução grande na sua produção" informa diretor do Cecafé, Guilherme Braga.

A indústria de café solúvel não conseguiu aproveitar o momento favorável. Mesmo com preços internacionais em alta, o segmento registrou queda de mais de 15% no volume vendido e de 12% na receita. A Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics) avalia que as perdas, em parte, têm a ver com a falta de competitividade do produto brasileiro.

"A reação natural do comprador é reduzir as compras e distribuir o que ele tem de estoques. É uma forma de se segurar dessa alta, na expectativa de que essa alta vai se reverter. Se o Brasil está com um preço mais alto e outros países tem condições até de matéria-prima mais barata, tem condições de vender mais barato e mais competitivo, também dificulta" diz diretor-executivo da Abics, Roberto Ferreira Paulo.

A expectativa dos dois segmentos para o restante do ano é exportar um volume menor. No café verde essa queda deve ser de 9%, no solúvel, o volume embarcado deve ser 6% menor. Mas o Cecafé e a Abics projetam manutenção dos preços internacionais em alta, assim, a receita com o café verde deve aumentar 3%, e a do solúvel deve crescer menos de 1%.

Fonte: CafePoint

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

bo togel terpercaya

situs togel terpercaya

situs togel terpercaya

10 situs togel terpercaya

situs toto

bo togel terpercaya

agen togel terpercaya

situs togel terpercaya

situs togel resmi

bandar togel online

bandar togel terpercaya

link togel

link slot dana

10 situs togel terpercaya

situs togel terpercaya

5 bandar togel terpercaya

situs toto

situs toto

bandar togel terpercaya

agen togel terpercaya

bo togel terpercaya

situs togel terpercaya

bandar togel terpercaya

slot deposit 5rb

situs toto

toto togel

situs toto

toto togel

situs toto

10 situs togel terpercaya

situs togel resmi