Produtores dizem que preço mínimo do café ficou abaixo do esperado

Imprimir

O novo preço mínimo de R$ 307 para a saca do café arábica, anunciado hoje (7) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), não remunera os cafeicultores de algumas regiões

A afirmação é do deputado Silas Brasileiro (PMDB-MG), presidente do Conselho Nacional do Café (CNC). Os produtores reivindicavam reajuste dos atuais R$ 261,69 para R$ 340, a fim de frear uma crise de preços do grão.

O pedido dos cafeicultores baseava-se em cálculo da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que avaliou o preço médio da saca de 60 quilos em R$ 336,13. O CNC é uma entidade privada que congrega produtores, cooperativas, associações de cafeicultores e federações de agricultura de estados produtores.

“Lógico que queríamos [o preço mínimo de R$ 340]. Esse preço [R$ 307] remunera em algumas regiões. Em outras não”, disse Silas Brasileiro. O presidente do CNC não acredita que um reajuste maior sobre o valor poderia impactar o bolso do consumidor. “Para o consumidor, não teria reflexo. O que nós entendemos é que outras culturas poderiam fazer pressão por um reajuste mais elevado e que o governo tentou evitar isso”, opina.

O Conselho Monetário Nacional (CMN) reuniu-se duas vezes na semana passada sem anunciar decisão sobre o reajuste do preço, que não era elevado desde 2009. De acordo com o Mapa, o novo valor foi comunicado pelo colegiado nesta terça-feira. O custo foi reajustado apenas para o grão do tipo arábica. A saca de café robusta, cujo preço mínimo é R$ 156,57, não teve o valor elevado para R$ 180, como reivindicavam os produtores.

O setor cafeeiro atualmente enfrenta uma crise, com queda de 28,97% do preço médio no mercado internacional no primeiro trimestre deste ano, na comparação com os três primeiros meses de 2012. Após a elevação do preço mínimo, são aguardadas políticas de subvenção e crédito para o café tendo como lastro o valor maior.

O CMN já aprovou refinanciamento das dívidas com estocagem, com possibilidade de pagar a partir de junho e parcelar o débito em 12 vezes. Agora, de acordo com Silas Brasileiro, é aguardado o anúncio de recursos para estocagem, colheita e custeio. O setor espera também opções de Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro), caso seja necessário.

O Pepro é um instrumento de garantia do preço mínimo ao produtor sem aquisição da colheita, mediante o pagamento de diferença entre os preços mínimo, ou de referência, e o de mercado. O mecanismo é acionado quando o preço de mercado estiver abaixo do preço mínimo. A subvenção pode ser concedida tanto aos produtores quanto às cooperativas.

Fonte: ABr

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

bo togel terpercaya

situs togel terpercaya

situs togel terpercaya

10 situs togel terpercaya

situs toto

bo togel terpercaya

agen togel terpercaya

situs togel terpercaya

situs togel resmi

bandar togel online

bandar togel terpercaya

link togel

link slot dana

10 situs togel terpercaya

situs togel terpercaya

5 bandar togel terpercaya

situs toto

situs toto

bandar togel terpercaya

agen togel terpercaya

bo togel terpercaya

situs togel terpercaya

bandar togel terpercaya

slot deposit 5rb

situs toto

toto togel

situs toto

toto togel

situs toto

10 situs togel terpercaya

situs togel resmi

bo togel terpercaya

bandar togel terpercaya

bo togel terpercaya

situs togel terbesar

situs togel terpercaya

bo togel terpercaya

bandar togel terpercaya

situs toto 4d

situs toto