Governo adia regra para avaliar Café Torrado e Moído

Imprimir

Após pressão da indústria, o Ministério da Agricultura suspendeu, por seis meses, uma das formas de avaliação da produção de café. A análise sensorial criada pela instrução normativa nº 16, com início previsto inicialmente para fevereiro, estabelece condições para o governo avaliar a qualidade do café torrado e moído. A indústria do setor reclamou dos critérios "subjetivos" para a análise de sabor, aroma, acidez e adstringência do café e alegou ainda que faltam profissionais treinados para a função.

O governo manteve a data para o início da fiscalização sobre impurezas e umidade -17 de fevereiro-, também prevista na instrução. Os técnicos da Agricultura e os representantes do setor vão agora tentar adotar novos critérios para realizar a análise sensorial do produto.

"Estimamos que, em seis meses, podemos adotar parâmetros para garantir ao consumidor um bom café", disse à Folha o secretário de Produção e Agroenergia do ministério, Manoel Vicente Fernandes Bertone.

Segundo ele, neste ano, o governo espera treinar 340 degustadores para a análise sensorial. A turma inicial, com 20 técnicos, se formará neste mês na UFV (Universidade Federal de Viçosa-MG). A instrução normativa nº 16 interrompe um ciclo de 20 anos de autorregulação da indústria de café. O controle volta a ficar com o governo.

INDÚSTRIA O diretor-executivo da Abic (Associação Brasileira da Indústria de Café), Nathan Herszkowic, disse que a instituição vai trabalhar com o ministério na implantação das normas. "Vamos tentar o melhor café possível", disse.

"Foi uma decisão acertada [a suspensão]", disse o deputado federal Carlos Melles (DEM-MG). Ele é presidente da Cooparaiso (Cooperativa de Cafeicultores de São Sebastião do Paraíso), em Minas, Estado com a maior produção de café do país.

A presidente da Café Utam, de Ribeirão Preto -12ª maior indústria do setor no país, segundo a Abic-, Ana Carolina Soares de Carvalho, apoia as normas.

Ela diz que a instrução normativa é "um grande avanço" só por definir regras e impor sanções.
O cafeicultor Guilherme Salomão Vicentini, 30, acha que as normas vão eliminar do mercado os produtos de qualidade inferior.

"Apesar da falta de critérios para a análise sensorial, acho importante porque fortalece o setor e incentiva o consumo do café", disse. O café que não se enquadrar nas normas terá a venda proibida. A regra estabelece limites de 5% de umidade e 1% de impurezas (casca, paus, restos de folha) e matérias estranhas (sementes ou farelo de milho). Isoladamente, o limite é 0,1%. 

Fonte: Folha de São Paulo  

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

bo togel terpercaya

situs togel terpercaya

situs togel terpercaya

10 situs togel terpercaya

situs toto

bo togel terpercaya

agen togel terpercaya

situs togel terpercaya

situs togel resmi

bandar togel online

bandar togel terpercaya

link togel

link slot dana

10 situs togel terpercaya

situs togel terpercaya

5 bandar togel terpercaya

situs toto

situs toto

bandar togel terpercaya

agen togel terpercaya

bo togel terpercaya

situs togel terpercaya

bandar togel terpercaya

slot deposit 5rb

situs toto

toto togel

situs toto

toto togel

situs toto

10 situs togel terpercaya

situs togel resmi

situs togel resmi

bandar togel terpercaya

bo togel terpercaya

situs togel terbesar

situs togel terpercaya

bo togel terpercaya