Café orgânico marca presença em cafeterias do Rio de Janeiro

Imprimir

Orgânico e certificado com o selo da agricultura familiar, o artigo é vendido em feiras

Criada em 1993, pelo aposentado Olympio Matheus Ribeiro, a Fazenda Iranita, administrada desde 2005 pela filha e o genro Ana Regina e Suhail Majzoub, produz de forma orgânica café, leite e grãos.

Apesar da variedade, a propriedade localizada na zona rural de Purilândia, a 380 quilômetros da capital fluminense, tem como carro-chefe o café orgânico arábica. O produto é comercializado em lojas e cafeterias no estado do Rio de Janeiro.

Suhail conta que para conseguir toda a estrutura necessária utilizaram o crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).

“Fomos financiando os equipamentos e tivemos assistência técnica”, afirma Suhail ao salientar que cinco famílias de agricultores familiares trabalham para produzir o café torrado, moído e empacotado, além do fubá e do feijão ensacado.

Para se chegar a um produto de qualidade, o agricultor conta que investiu na instalação de um lavador e despolpador para a produção do café, na capacitação técnica, bem como em outras melhorias na fazenda.

“Hoje temos cerca de 12 hectares de cafezal e melhoramos bastante nossa estrutura. Colhemos o café no pano, depois ele vai para o lavador e em seguida para o despolpador. Tudo para dar mais qualidade”, conta.

Café Iranita

Foi em 2006 que surgiu o principal produto da fazenda, o Café Iranita 100% Arábica. Orgânico e certificado com o selo da agricultura familiar, o artigo é vendido em feiras, como a Feira Nacional da Agricultura Familiar e Reforma Agrária. “O selo agregou bastante valor. Fomos uns dos primeiros a colocar a identificação da agricultura familiar”, ressalta o agricultor.

Hoje, a Fazenda Iranita chega a produzir aproximadamente uma tonelada de café por ano. O café torrado em grão é vendido em recipientes de 250g e 1kg. Já o café torrado e moído é encontrado em pacotes de 250g.

Fonte: Portal Brasil via Ministério do Desenvolvimento Agrário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *