Brasil poderá ser o único país a se tornar potência agrícola, ambiental e energética, diz pesquisador

Imprimir

O Brasil poderá ser o único país do mundo a se tornar, ao mesmo tempo, potência agrícola, ambiental e energética, previu nesta quarta, dia 8, o diretor-executivo de Pesquisa e Desenvolvimento da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Maurício Lopes. Em audiência pública sobre o tema "Economia verde: serviços ambientais", ele ressaltou, contudo, a necessidade de o país adotar um marco legal que o ajude a construir uma economia do “conhecimento natural”.

– É preciso que o país construa um arcabouço legal da economia verde, um quadro regulatório que facilite o fluxo de investimentos em inovação. Temos tudo na mão, uma base de recursos naturais fantástica, e precisamos construir no Brasil uma inteligência estratégica a respeito do tema – afirmou Lopes na audiência, promovida pela Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) e pela Subcomissão Temporária de Acompanhamento da Conferência Rio+20, a ser realizada em 2012 pela Organização das Nações Unidas (ONU), no Rio de Janeiro.

O diretor da Embrapa considerou prudente acompanhar com grande atenção os investimentos realizados na economia verde por países como Coreia do Sul – onde morou por dois anos – e a China. Diante desses dois países, que, como observou, não contam com tantos recursos naturais, o Brasil "ainda não acordou para a revolução emergente" que representa a economia verde.

O diretor do Departamento de Gestão Estratégica do Ministério do Meio Ambiente, Volney Zanardi, também destacou a necessidade de construção de um novo marco legal para o setor. Ele citou como exemplos de necessidade desse marco legal a regulamentação dos serviços ambientais, prevista em projeto que está em tramitação na Câmara dos Deputados, e o acesso a recursos genéticos, atualmente regulamentado por uma medida provisória editada pela primeira vez em 2000.

A diretora-executiva da organização não governamental Fase Nacional, Letícia Tura, observou que o Brasil já é bastante rico em experiências e práticas inovadoras de agricultura e agroextrativismo, que precisam ser mais bem conhecidas pela sociedade.

Por sua vez, o coordenador de transferência de tecnologia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Roberto Lorena, lembrou que a preservação das florestas tem um custo.

– Se o beneficiário dessa preservação é o mundo, está na hora de dizer que vamos manter a floresta em pé, mas precisamos que o mundo participe disso – alertou.

Ao ressaltar a necessidade de um novo marco legal de acesso aos recursos genéticos, o gerente de Relações Governamentais da empresa Natura, Daniel Serra, observou que existem aproximadamente 1,8 milhão de espécies naturais do país, mas que apenas 25 autorizações de acesso a essas espécies têm sido liberadas a cada ano. Dessa forma, alertou, seriam necessários 72 mil anos para conhecer o patrimônio genético da biodiversidade brasileira.

– E a nossa biodiversidade é como mais um pré-sal – afirmou.

O coordenador de extensão do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Carlos Roberto Bueno, recordou que a Amazônia conta com 17% da água doce do planeta e recursos minerais ainda desconhecidos. Ele defendeu a regulamentação dos serviços ambientais, principalmente no que se refere ao que será pago e por quem.

– Temos de ver ainda como serão geridos os recursos. Os povos que vivem na floresta têm que receber em saúde, educação, energia e transporte. E não como um presente para eles – afirmou Bueno.

Ao abrir a reunião, o presidente da comissão, senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), ressaltou a importância da Rio+20 e a necessidade de se "rediscutir a legislação de acesso a recursos genéticos".

O presidente da subcomissão de acompanhamento da conferência, senador João Pedro (PT-AM), disse que "o Brasil tem que ser propositivo" na Rio+20. Com o propósito de apresentar sugestões para a conferência, anunciou ele, serão ainda realizadas audiências públicas com a participação de representantes da sociedade civil nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste.

Fonte: Canal Rural

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

bo togel terpercaya

situs togel terpercaya

situs togel terpercaya

10 situs togel terpercaya

situs toto

bo togel terpercaya

agen togel terpercaya

situs togel terpercaya

situs togel resmi

bandar togel online

bandar togel terpercaya

link togel

link slot dana

10 situs togel terpercaya

situs togel terpercaya

5 bandar togel terpercaya

situs toto

situs toto

bandar togel terpercaya

agen togel terpercaya

bo togel terpercaya

situs togel terpercaya

bandar togel terpercaya

slot deposit 5rb

situs toto

toto togel

situs toto

toto togel

situs toto

10 situs togel terpercaya

situs togel resmi

bo togel terpercaya

bandar togel terpercaya

bo togel terpercaya

situs togel terbesar

situs togel terpercaya

bo togel terpercaya

bandar togel terpercaya

situs toto 4d

situs toto