Vendas de fertilizantes no país cresceram 12,4% em maio

Imprimir

As vendas de fertilizantes no país registraram aumento significativo em maio? subiram 12,4% frente ao mesmo mês de 2013, a 2,636 milhões de toneladas, informou nesta terça-feira a Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda).

No acumulado deste ano, as vendas desses produtos cresceram 8% sobre janeiro a maio de 2013 e totalizaram 10,295 milhões de toneladas.

Em nutrientes, as entregas de fertilizantes nitrogenados ao consumidor final apresentaram alta de 7%, em função da maior demanda para as culturas do milho safrinha, algodão, café e trigo, conforme a Anda.

Os fertilizantes fosfatados registraram aumento de 4,3%, com ênfase nas entregas para o milho segunda safra e trigo.

Nos fertilizantes potássicos, foi registrado crescimento de 9,8%, com aumentos tanto nas entregas dos produtos formulados como nas coberturas como elementos simples, sobretudo para o milho safrinha, algodão e soja (início das entregas).

O Estado de Mato Grosso concentrou o maior volume de vendas de janeiro a maio deste ano, atingindo 2,122 milhões de toneladas. Em seguida, está o Paraná, com 1,372 milhão de toneladas. Depois vem São Paulo, com 1,293 milhão de toneladas, e Goiás, com 1,043 milhão de toneladas.

O aumento significativo das vendas em maio é reflexo do grande volume de pedidos no início do ano, com entrega no mês passado, principalmente para a soja, afirma Victor Ikeda, pesquisador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP.

A produção nacional de fertilizantes foi de 744,557 mil toneladas no mês passado, queda de 9,2% ante o mesmo mês de 2013. De janeiro a maio de 2014, foram produzidas no país 3,432 milhões de toneladas de adubos, recuo de 9,8% sobre igual intervalo de 2013.

As importações de fertilizantes em maio registraram queda de 12,7%, ante o mesmo mês do ano passado, para 1,861 milhão de toneladas. Já nos primeiros cinco meses de 2014, as compras do exterior aumentaram 16%, para 8,820 milhões de toneladas.

Pelo porto de Paranaguá, a principal porta de entrada dos fertilizantes no país, foram importadas 3,519 milhões de toneladas, 4,5% a mais ante janeiro a maio de 2013, representando 39,9% do total importado por todos os portos brasileiros, afirma a Anda.

O recuo das cotações internacionais de vários produtos agrícolas, como o café, milho e suco de laranja, "piora" para os produtores rurais as relações de troca por fertilizantes, estima Mauro Osaki, pesquisador do Cepea.

Assim, os produtores precisarão entregar maior quantidade de produtos para adquirir uma tonelada de fertilizante. Neste momento, o pesquisador do Cepea diz que os produtores de commodities cujos preços recuaram estão adquirindo fertilizante da "mão para a boca". Entretanto, a relação de troca da soja em Mato Grosso continua favorável ao produtor, afirma Osaki.

Segundo levantamento do Cepea, a ureia no mercado internacional registrou aumento de 2,74% no mês passado frente a abril, a US$ 299 por tonelada, em média.

O valor do fosfato supertriplo teve queda de 6,5% em maio frente ao mês anterior, a US$ 365 por tonelada. O preço médio do cloreto de potássio ficou estável, na mesma comparação, a US$ 301 por tonelada, depois de alguns meses em queda. Mas a indicação é de alta, observa Osaki, diante da decisão das grandes empresas produtoras do nutriente de reajustar a cotação do produto.

Fonte: Valor Econômico

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *