Teste do café: Embrapa encontra impurezas em 95% das amostras

Imprimir

Todo brasileiro é especialista em cafezinho, mas apesar do conhecimento popular, o consumidor pode estar sendo enganado. Técnicos dizem que há mais coisas entre o pó e a água do que o sabor original do café.

“Para mim é essencial o café. Eu não passo sem ele”, conta uma senhora.

“Você toma até sem vontade de tomar café”, conta um homem.

Preferência nacional, o cafezinho nosso de cada dia pode conter impurezas impossíveis de serem percebidas a olho nu, mas que podem comprometer o sabor e o aroma da bebida. Pelas regras da Abic, Associação Brasileira da Indústria do Café, o nível máximo de impurezas tolerado é de 1%. E elas devem ser da própria planta, como a casca do grão ou pedaços do caule, que acabam sendo misturados na colheita ou na produção.

Uma nova tecnologia desenvolvida na Embrapa, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, tornou possível a identificação de tudo o que vem junto do café, mas não é café. Um equipamento permite a análise em tempo real de todas as substâncias que sejam eventualmente misturadas aos grãos.

As principais substâncias usadas para fraudar o café são cevada e milho. “O preço do café, uma saca de 60 quilos, custa cerca de R$ 300. Uma saca de milho, com o mesmo peso, custa cerca de R$ 20. Aí dá para fazer os cálculos e observar quanto se ganha nessa transação”, explica o pesquisador da Embrapa Otniel Freitas Silva.

 

A Embrapa pesquisou 12 amostras de marcas de café encontradas no mercado. Em 95% dos casos confirmou-se a adulteração com outras substâncias. Em 30% das amostras adulteradas, a adição de outras substâncias ficou acima de 1%.

“Você precisa ter informação, tem que estar no rótulo. Se você tem a informação você decide se você quer um café com uma outra substância ou não. Agora, se você não tem a informação, você está sendo enganado”, conclui a pesquisadora da Embrapa Edna de Oliveira.

O que a tecnologia agora está confirmando com precisão, os amantes do cafezinho já perceberam há muito tempo. “Deveria ter alguma coisa ali, alguma substância que não retratava a pureza do café, levedo, alguma coisa que tirou a pureza do pó, com certeza”, diz o guia de turismo Francisco dos Santos.

O Ministério da Agricultura informou que foi criado um grupo de trabalho para propor um sistema de medição da qualidade do café. Já a Associação Brasileira da Indústria de Café afirmou que há 23 anos possui um selo de pureza, e que analisa por ano cerca de três mil amostras do produto. Qualquer irregularidade é informada aos órgãos de fiscalização.

Fonte: Bom Dia Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *