Tecnologia economiza até 76% de água no processamento via úmida do café

Imprimir

Tecnologia de remoção de resíduos para recirculação da água do processamento de café desenvolvida pelo Consórcio Pesquisa Café (Embrapa Café, Instituto Capixaba de Pesquisa e Extensão Rural – Incaper e pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais – Epamig) denominada Sistema de Limpeza de Águas Residuárias – SLAR é opção disponível para os cafeicultores de todos os portes para processamento de café com qualidade, sustentabilidade e, em especial, com economia de água.

O sistema permite a redução do consumo de água no beneficiamento do café em até 76% mediante a reutilização desse recurso natural. Ao término da jornada de processamento, a água pode ser usada na ferti-irrigação. Além disso, os resíduos sólidos que ficam do processamento via úmida podem ser utilizados na produção de compostos orgânicos. Estudos demonstram que o uso dessa água residuária é benéfica para as plantas de café e podem reduzir a dosagem necessária de aplicação de fertilizantes na lavoura.

Segundo o pesquisador da Embrapa Café Sammy Fernandes, além da contribuição ambiental, o SLAR tem a vantagem de ser uma tecnologia acessível para pequenos produtores por seu baixo custo de instalação e manutenção. “Existem no mercado equipamentos para processamento de frutos de café que economizam água, mas nem todo cafeicultor tem acesso. O SLAR tem a função de remover os resíduos sólidos na água proveniente do processamento de frutos, viabilizando a reutilização e a economia desse recurso natural finito”.

Como surgiu o SLAR – Com o objetivo de maximizar resultados da produção e da renda, cafeicultores a partir da década de 1980 começaram a fazer uso intensivo da água em tecnologias de processamento via úmida para obtenção do café cereja descascado, cuja qualidade de bebida é superior. No entanto, o uso dessas tecnologias resultou na geração de grande quantidade de água residuária de café que, com potencial de poluir o ambiente aquático. Para reduzir o volume de água empregada no processamento café via úmida e facilitar o aproveitamento agrícola da água residuária, foi desenvolvido o Sistema de Limpeza de Águas Residuárias – SLAR.

Entenda a tecnologia – O SLAR é constituído por três caixas de decantação/flotação interligadas e duas peneiras filtros (estáticas). As caixas retêm os resíduos mais densos que a água por decantação (acumulam-se no fundo do recipiente) e os menos densos por flotação. A água, já mais limpa, passa para a segunda caixa onde o processo é repetido e continuado até a terceira caixa. Ao final desse processo, a água é direcionada às peneiras onde ocorre a retenção de resíduos com potencial para obstruir o "esguicho" do descascador. Após passar pelas peneiras a água é bombeada para uma caixa de água residuária e é reutilizada no descascamento dos frutos. Em outras palavras, o SLAR remove os resíduos sólidos na água provenientes do processamento de frutos, viabilizando a reutilização da água e a diminuição do consumo. Ao término da jornada de processamento a água é descartada em lagoas/valas de infiltração ou aproveitada para a ferti-irrigação.

Para transferir esse conhecimento aos produtores de café em várias regiões produtoras, a Embrapa Café, Universidade Federal de Viçosa, Epamig, Incaper e instituições consorciadas estão percorrendo as principais regiões produtoras promovendo capacitações e cursos de pós-colheita de café. “As pesquisas do Consórcio atendem o cafeicultor, especialmente os da cafeicultura familiar, com treinamento e transferência de tecnologias adequadas à propriedade. O cafeicultor tem mais condições de produzir café de melhor qualidade”, diz o pesquisador da Embrapa Café Anísio Diniz.

Tecnologia acessível – Para saber mais informações sobre o SLAR, acesse a publicação lançada pela Embrapa Café intitulada “Produção de Café Cereja Descascado – Equipamentos e Custo de Processamento”. O Comunicado Técnico apresenta as vantagens do emprego de equipamentos e tecnologias necessárias à produção do café cereja descascado, tais como máquinas de pré-limpeza, lavadores, descascadores, Sistema de Limpeza da Água Residuária – SLAR, secagem/armazenagem, entre outros.

Fonte: Gerência de Transferência de Tecnologia da Embrapa Café

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *