Sinais negativos

Imprimir
Por Rodrigo Costa*

rodrigo-costa-analista-de-mercadoAs bolsas de ações cederam nos últimos cinco dias influenciadas pelas incertezas das respostas das economias na reabertura gradual entre os países desenvolvidos e pela elevação do tom do presidente Donald Trump na disputa comercial com a China – como se já não existisse problemas suficientes para serem resolvidos.

A concordata declarada por uma grande loja de departamento americana, que já vinha há algum tempo lutando para revitalizar seu modelo de negócios, alerta o receio de muitos, já que mesmo com uma eventual abertura total do comércio as novas regras limitarão o trafego de pessoas, sem mencionar o medo dos consumidores em se expor ao vírus que ainda não tem uma vacina ou remedido efetivo para cura-lo.

Os índices de commodities ficaram de lado, mas houve movimentos agudos entre os componentes do CRB, por exemplo, onde o petróleo subiu quase 20% e o suíno magro cedeu 14% em cinco dias.

O café caiu 4.81% em Nova Iorque e ficou virtualmente inalterado em Londres.

As exportações brasileiras em abril totalizaram 3,348,601 sacas, as de março foram revisadas para cima e tudo indica que o país vai encerrar mais um ano-safra com embarques acima de 40 milhões de sacas.

A estatística contradiz os altistas que há muito tempo acreditavam em um fluxo bem mais modesto apontando estoques baixos na principal origem.

Os dados devem forçar a revisão do tamanho das safras anteriores e/ou do estoque de passagem, mesmo que haja alguma perda do consumo doméstico por causa do COVID-19.

Falando em consumo, uma apresentação da respeitada Euromonitor divulgada nesta semana faz um prognóstico de perda do desaparecimento nos Estados Unidos em quase 3% no ano e estima uma recuperação muito lenta – algo bem negativo para as cotações.

Os estoques americanos em abril aumentaram em 494,299 sacas, segundo a Green Coffee Association. O incremento é maior do que a média de cinco e dez anos, que fira ao redor de 130 mil sacas, e não muito animador para os altistas – ainda mais se eventualmente o consumo de fato arrefecer.

Os diferenciais se mantêm barateados para os naturais, reflexo do desencaixe de oferta e demanda mencionado neste espaço no comentário anterior.

Por outro lado, os suaves não enfraquecem, pelo contrário, mas neste ponto pesa uma mudança nos padrões de consumo, mesmo que pontual.

A colheita no Brasil adiantada ajuda os produtores em um momento que o Real negocia em suas mínimas, e neste ponto os bancos e analistas já preveem uma cotação do câmbio acima dos R$ 6.00 por algum tempo.

O contrato “C” precisa respeitar os US$ 103.80 para não atrair uma nova onda de venda dos fundos.

Uma ótima semana e bons negócios a todos com muita cautela e saúde.

*Rodrigo Corrêa da Costa escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting

Fonte: Archer Consulting – Assessoria em Mercados de Futuros, Opções e Derivativos Ltda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *