Safra do café está movimentando armazéns e fazendas

Imprimir

Pés carregados, lavoura movimentada. Numa fazenda em Três Pontas a colheita começou há 15 dias, uma parte é mecanizada e na outra, 50 trabalhadores apanham o café. Oportunidade que apareceu antes do previsto para o lavrador Divino José Barbosa: "É bom para nós e para os fazendeiros, quanto mais é colhido é melhor", diz Divino.

A expectativa de alguns produtores é colher 6 mil sacas. Para não correr riscos, a colheita foi antecipada. "Por causa do ano passado por problemas de muita chuva, na colheita, nós chegamos a ter um prejuízo muito grande com a qualidade do café, chegava ao final da safra colhendo cafés podres. Por isso optamos esse ano colher um pouco mais verde, mas aferindo uma qualidade.", diz o produtor Eric Miranda Abreu.

Segundo o agrônomo Roberto Felicori, o excesso de chuva no ano passado provocou diferentes estágios na maturação do fruto: "Nós tivemos várias floradas, têm locais que ocorreram até seis floradas. A gente tem que iniciar a colheita nos pontos de café que estão mais maduros, evitando colher o verde, e fazer algum processo de colheita seletiva, a máquina colhe ou o próprio produtor, com a mão de obra", diz Felicori.

Numa fazenda, em Carmo da cachoeira, os lavradores também trabalham desde meados do mês passado. A área foi aumentada em 55 hectares, em relação a 2009.

"Optamos por renovar para buscar uma melhor mecanização devido ao alto custo de mão de obra. Estamos com uma expectativa que este ano tenhamos uma boa safra e que o preço nos ajude", diz o administrador da fazenda Ricardo de Oliveira

O auxiliar de armazém Vitor de Brito diz que com o início da colheita o movimento já é grande nos armazéns. O armazém onde ele trabalha recebe por dia mil sacas em média e já contratou 48 homens.

Os carregamentos não param de chegar, e outros vinte funcionários devem ser admitidos.

"A expectativa de agora pra frente é de aumentar a chegada do café no armazém. Em média pode chegar de 13 mil a 15 mil sacas por dia", afirma Brito

A estimativa da CONAB, companhia nacional de abastecimento, é de que o Brasil deve ter, esse ano, a segunda maior produção da história, desde 1961, 47 milhões de sacas.

"Poderíamos ter uma produção boa, inclusive até poderia superar o record da safra 2002/2003, mas na segunda quinzena de Dezembro, até meados de Março, ocorreu a estiagem em Espírito Santo, Bahia e parte de Minas Gerais. Nesta safra agora, estamos com quatro e meio por cento a cima da última safra de 2008, que foi um ano de alta produção, como agora", diz o técnico de planejamento da Conab, Eledon Pereira.

Fonte: EPTV.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *