Relatório Internacional de Tendências do Café chega a sua última edição

Imprimir
O Relatório Internacional de Tendências do Café, produzido e editado por pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (UFLA) desde 2012, chega a sua última edição após cinco anos de atividades. Ele será substituído, em breve, por uma nova publicação, mais abrangente e moderna em termos de mercado editorial. O relatório fez parte do projeto Bureau de Inteligência Competitiva do Café, vinculado à Agência de Inovação do Café (InovaCafé/UFLA), sob coordenação do professor Luiz Gonzaga de Castro Junior e dos doutorandos Eduardo Cesar Silva e Angélica da Silva Azevedo.

Após entendimentos por parte da equipe, foi constatada a necessidade de ampliação dos conteúdos abordados. “O relatório estava limitado à coleta e à análise de informações publicadas por sites internacionais. Agora vislumbramos a criação de conteúdos próprios a partir de entrevistas, participação em eventos e pesquisas originais. Para isso, foi criada uma startup de mídia”, explicou Castro Junior.

De acordo com o Professor, existem muitos temas novos e importantes que ainda não foram discutidos em profundidade pela mídia especializada em café. “Queremos falar deles, mas precisamos de uma nova estrutura organizacional e de um plano de negócios”, completou.

O primeiro número da nova publicação, cujo nome ainda não foi revelado, será publicado em abril. Os interessados em recebê-la gratuitamente devem enviar um e-mail para cimufla@gmail.com.

Edição Especial
De acordo com os coordenadores do Relatório Internacional de Tendências do Café, o último número possui um conteúdo especial. Além das tradicionais informações sobre a cafeicultura ao redor do mundo, foi incluído um resumo das principais mudanças do setor nos últimos cinco anos ao final de cada seção principal. O relatório termina com uma análise que mostra as contribuições que a publicação proporcionou à atividade (clique no link https://goo.gl/kE6k1R para acessar a última edição).

O primeiro número do relatório foi publicado em outubro de 2012. Ao todo, foram 62 edições que monitoraram e analisaram as tendências da cadeia produtiva do café no mundo todo. O relatório foi criado para fornecer informações estratégicas para todos os participantes do setor.

O Brasil é o maior produtor e exportador de café do mundo desde o século XIX, e também o segundo maior consumidor. “Por se tratar de um segmento econômico de grande relevância para o país e, principalmente, para o estado de Minas Gerais, que concentra a maior parte da produção, julgamos importante que a UFLA gerasse informações estratégicas para o setor”, finalizou Castro Junior.

Contribuição histórica
“Antecipamos muitas tendências importantes. Foi a primeira publicação em português, de acesso livre, a indicar a importância que as redes sociais teriam para o mercado de café”, explicou Castro Junior. Segundo ele, o relatório também ajudou a divulgar o conceito de “terceira onda do café” no país.

De acordo com Eduardo Cesar Silva, a equipe de analistas responsável pelo relatório, formada por estudantes de graduação e pós-graduação da UFLA, identificou e analisou muitas informações com exclusividade. “Nossa metodologia de trabalho permitiu que identificássemos acontecimentos importantes que não foram citados por nenhum veículo de mídia no Brasil. Assim, muitas informações e análises só existem naqueles relatórios”, pontuou. Por isso, o site onde eles se encontram (www.icafebr.com.br) continuará no ar.

Fonte: Ascom InovaCafé

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *