Região do Cerrado Mineiro conquista 1ª Denominação de Origem para Café no Brasil

Imprimir

Mais um marco histórico na cafeicultura brasileira. Demonstrando mais uma vez seu pioneirismo, a Região do Cerrado Mineiro, até então reconhecida como Primeira Indicação de Procedência para café no Brasil, alcança agora o Status de Primeira Denominação de Origem para Café.

Reconhecida como território que ganhou grande notoriedade na produção de café, a Região do Cerrado Mineiro se destacou no mercado e teve seu nome Geográfico amplamente divulgado, ficando marcada como Origem produtora de Cafés de Alta Qualidade.

Este reconhecimento trouxe a necessidade de controle na produção dos cafés de qualidade da Região, a fim de preservar a origem do produto e valorizar os produtores com a demarcação do território, que hoje é constituído por 55 municípios, possui uma produção estimada em 5 milhões de sacas, provenientes do trabalho de cerca de 4.500 cafeicultores.

Com isso, a proteção do território se deu pela Indicação de Procedência, reconhecida pelo INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial no ano de 2005. Após este reconhecimento, a Federação dos Cafeicultores do Cerrado, uma entidade formada por 9 cooperativas, 7 associações de cafeicultores, e 1 Fundação de Desenvolvimento, responsável pela Gestão da Indicação de Procedência, construiu todo um processo de Certificação de Origem, envolvendo toda a cadeia de custódia da produção de café (propriedades, cooperativas, armazéns, exportadores e torrefadores) visando com isso fornecer um processo completo de Garantia da Origem e Qualidade do café, e com isso a valorização de todo o trabalho dos produtores, assim como o fornecimento aos consumidores de um produto com Origem preservada.

Toda esta construção levou a Região do Cerrado Mineiro a buscar mais um desafio: a Denominação de Origem. Diferentemente da Indicação de Procedência, a Denominação de Origem vai além características do território, valorizando e diferenciando também o produto. Para se conquistar uma Denominação de Origem, é preciso comprovar que o produto produzido naquela Região é único, possui características que somente podem ser obtidas naquela origem e isso inclui não somente fatores naturais como clima, solo, relevo e altitude, como também os fatores humanos. Ou seja, a soma destes fatores: naturais e humanos, formam o “saber fazer”, que deve ser exclusivo daquela Região.

Foi assim que em 2010 com forte apoio do SEBRAE foi construído e depositado junto ao INPI o pedido de Denominação de Origem para a Região do Cerrado Mineiro, um longo processo de pesquisa e estudos, compilados em um dossiê, para comprovar que os cafés produzidos na Região são únicos, e que somente em solos desta área demarcada é possível se obter este produto.

“A conquista do status de Denominação de Origem para a Região do Cerrado Mineiro é motivo de muito orgulho para todos envolvidos, mas principalmente para os cafeicultores que com este reconhecimento referendam ainda mais a qualidade de seu produto, juntamente com sua própria história. Nós do Sebrae acreditamos na inovação, empreendedorismo e sustentabilidade para incremento e competitividade nos negócios e compartilhamos a alegria por esta magnifica conquista” – explicou Marcos Alves, Analista Sebrae-MG Regional Triângulo.

A perfeita definição das estações climáticas, com verão quente e úmido e inverno ameno e seco, com os cafezais sendo cultivados entre 800 e 1300 metros de altitude conferem ao café produzido no Cerrado Mineiro uma identidade exclusiva e de alta qualidade. As caraterísticas dos cafés da Região variam entre um aroma intenso com notas de caramelo a nozes, acidez delicadamente cítrica, corpo de moderado a encorpado, sabor adocicado com aspecto de chocolate e uma longa finalização, que traz aquele gostinho de “quero mais”.

Todas estas características somadas ao saber fazer dos produtores da Região do Cerrado Mineiro foram avaliadas pelo INPI, que agora atesta as mesmas e confere a Região a 1º Denominação de Origem para Cafés no Brasil. Este título pertence aos 4.500 produtores que produzem café na Região de forma diferenciada.

Neste sentido, afirma Francisco Sérgio de Assis, presidente da Federação. “A conquista da Denominação de Origem é o coroamento de todo o trabalho que vem sendo desenvolvido pela Federação dos Cafeicultores do Cerrado em prol da nossa Região. Esse é o reconhecimento do trabalho de todos os cafeicultores que se dedicam em produzir um Café de Atitude”.

Este status eleva o Cerrado Mineiro ao mesmo status das mais nobres regiões e territórios demarcados no mundo, assim como o território de Bordeaux é para os vinhos, Champagne é para os espumantes, Parma é para os presuntos e para os queijos – territórios altamente reconhecidos pelos consumidores como regiões produtoras de produtos de altíssima qualidade e exclusividade.

Este mesmo caminho está trilhando a Região do Cerrado Mineiro – ganham com isso os produtores por terem seu café reconhecido e valorizado pelos mercados mais exigentes, bem como os consumidores, por terem na xícara um café com características únicas, com origem e qualidade garantida e controlada.

Para entender melhor a Indicação Geográfica

Indicação Geográfica é uma das formas mais eficazes de proteger e assegurar a origem de um produto elaborado em uma determinada Região. As influências do ambiente, do processo de produção e das pessoas envolvidas criam um fator diferenciador para o produto, que apresenta originalidade e características únicas, somente encontradas naquela região.

A indicação Geográfica pode ser classificada em duas formas: Indicação de Procedência – IP ou Denominação de Origem – DO.

Indicação de Procedência – IP, caracteriza-se uma Indicação de Procedência pelo nome geográfico de um país, cidade, região ou localidade de seu território, que se tenha tornado reconhecido como centro de extração, produção ou fabricação de determinado produto.

Denominação de Origem – DO, uma Denominação de Origem é caracterizada pelo nome geográfico de um país, cidade, região ou localidade de seu território. Indica que um produto ou serviço possui características essencialmente relacionadas ao meio geográfico, incluídos fatores humanos e naturais: clima, solo, relevo, altitude, etc.

Fonte: Blog Região do Cerrado Mineiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *