Produção de café pode aumentar em até 19,7% no Sul de Minas em 2018, diz Conab

Imprimir
A safra 2018 do café deve ser positiva esse ano, é o que aponta a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Segundo dados da companhia, a primeira estimativa para a produção da safra cafeeira (espécies arábica e conilon) indica que o país deverá colher entre 54,44 e 58,51 milhões de sacas de 60 quilos de café beneficiado. Ainda conforme a Conab, a produção para a região do Sul de Minas está estimada no intervalo entre em 15,6 e 16,4 milhões de sacas, apresentando um aumento de 13,7% a 19,7%, quando comparada à safra 2017.

O aumento, segundo a companhia, foi maior devido à inversão da bienalidade em alguns locais do Sul de Minas, além do aumento da área em produção nesta safra, que está em torno de 9,5%, cerca de 47 mil hectares quando comparada com a safra 2017.

O primeiro levantamento para a safra 2018 ocorreu entre novembro e dezembro do ano passado, no período pós-florada. Nesta pesquisa inicial, as informações levam a um ano de bienalidade positiva, o que, naturalmente, possui produtividades superiores a safra anterior.

O ano de 2018 aponta para bienalidade positiva na produção do café (Foto: Arquivo Pessoal/Marcelo Morais)

O resultado representa aumento de 30,1%, quando comparado com a produção de 44,97 milhões de sacas obtidas na safra passada.

Primeiro trimestre positivo

De acordo com Archimedes Coli Neto, presidente do Centro do Comércio de Café do Estado de Minas Gerais, o primeiro trimestre do mercado em 2018 foi conturbado, mas a tendência é de melhorias. “Tivemos produtores segurando café, não aceitando os preços, e isso prejudica as exportações do Brasil, como prejudicou o ano passado. Ainda existe bastante café da safra anterior e o produtor está esperando preços melhores. À medida que esses cafés vão aparecendo no mercado, as exportações melhoram”.

A preocupação de baixo rendimento na produção do café este ano devido à estiagem no final de 2017 foi aliviada por causa das boas condições climáticas. Segundo André Luiz Garcia, engenheiro agrônomo da Fundação Procafé, a possibilidade de boa produção ressurge. “O clima gerou boas frutificações do café. Tivemos chuvas nos momentos certos e a temperatura foi bastante adequada, então a safra deve ser positiva”.

Archimedes Neto afirma que é preciso esperar pelo rendimento e qualidade da safra 2018 para as projeções de mercado (Foto: Divulgação/CCCMG)

A previsão de boas condições continua, segundo Archimedes. “Durante a colheita, a partir de maio, esperamos que o clima continue bom, que tenhamos condições de colher sem muitas chuvas para não atrapalhar a qualidade e isso vem de encontro com o que o mercado precisa: qualidade”.

Preço competitivo do café

Com condições favoráveis para uma boa safra em 2018, o preço do café ao consumidor final pode sofrer alteração. Segundo Archimedes, o aumento da produção leva à competição. “Como esse ano teremos um pouco mais de produção de robusta, algumas marcas que usam esse café vão ter preço mais competitivo”.

A safra positiva também interfere diretamente no mercado, mas o presidente do CCCMG afirma que é preciso esperar pelo rendimento e qualidade da safra. “O mercado trabalha com a lei da oferta e procura. Se existe uma produção acima da demanda, o mercado ressente isso e se há uma oferta justa com a demanda, o mercado procura preços melhores, então temos que esperar um pouco”.

Fonte: G1 Sul de Minas (Por Gustavo Oliva para a página especial “Grão Sagrado”)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *