Procafé lança três cultivares de café no Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras

Imprimir

Asabranca, Beija Flor e Siriema AS1 são as três novas cultivares de café arábica da Fundação de Apoio a Tecnologia Cafeeira – Procafé a serem lançadas durante o 40º Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras. O evento acontece entre os dias 28 a 31 de outubro na cidade de Serra Negra (SP) e tem tema alusivo aos 40 anos de realização do Congresso: "40 anos de tecnologias, pro café ter melhorias". A Fundação Procafé é uma das instituições participantes do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café.

Os registros das novas cultivares (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Registro Nacional de Cultivares – RNC) foi realizado no mês de junho de 2014 e estão disponíveis aos cafeicultores para plantio. Os materiais genéticos das novas cultivares reúnem boas características vegetativas e produtivas e dão origem a plantas de porte baixo, boa produtividade, vigor e resistência à ferrugem. A Siriema é também resistente ao bicho mineiro.

Fundação Procafé – Localizada em Varginha, cidade situada na região Sul do Estado de Minas Gerais, a Fundação realiza estudos e pesquisas cafeeiras nas áreas de produção, preparo e qualidade do café, biotecnologia, gerenciamento agrícola e diagnósticos. Atua, ainda, na divulgação de alertas fitossanitários e estudos socioeconômicos, entre outros. Nesse contexto, promove e apoia treinamentos de técnicos a cafeicultores, realiza periodicamente cursos e eventos técnico-científicos e de transferência de tecnologias, a exemplo do Congresso de Pesquisas Cafeeiras. O corpo técnico da entidade tem experiência de cerca de 40 anos em atividades de pesquisa e transferência de tecnologia. No contexto da produção, a Fundação desenvolve novas cultivares de café adaptadas aos diferentes estresses abióticos e bióticos, como tolerância à seca, ao ataque de pragas e à incidência de doenças.

CONHEÇA AS NOVAS CULTIVARES
Asabranca – Por ser tolerante à seca, a cultivar carrega o nome de uma ave do sertão. Asabranca possui boa tolerância ao nematoide M. exígua e sua resistência à ferrugem chega, até o momento, ao nível de imunidade. Os frutos são vermelhos escuros, quase vinho, e possuem maturação tardia. A cultivar é oriunda do material de Acauã, resultado do cruzamento entre Sarchimor 1668 e Mundo Novo, feito na década de 1980 no ex-IBC de Londrina (PR). Em seguida, outras seleções foram feitas nas Fazendas Experimentais de Caratinga e Varginha. Mais recentemente, o material foi selecionado no Cerrado Mineiro, em Coromandel, onde se destacaram as cultivares 65 e 66, que apresentam alta produtividade e maior uniformidade de maturação.

Siriema AS 1 – A grande vantagem da Siriema AS 1 é a resistência múltipla aos dois principais problemas fitossanitários do cafeeiro: ferrugem e bicho mineiro. A cultivar apresenta alto nível de resistência, mesmo quando reproduzida por sementes. Outra vantagem é a alta precocidade de maturação, especialmente em regiões muito frias. Os frutos apresentam cor amarela e grãos dentro da normalidade quanto a chochos, chatos e conchas. A cultivar é oriunda do material de Siriema, cruzamento entre C. arabica (M. Novo) e C. racemosa, seguida de seleção e retro cruzamento com catimor, realizado na década de 1980 na Fazenda Experimental de Caratinga. A cultivar apresenta porte baixo e menor diâmetro de copa, o que facilita plantios mais adensados, compensando a menor produtividade por planta.

Beija Flor – Apresenta bons níveis de produtividade e maior resistência à ferrugem, tendo, em relação às demais, maturação mais precoce dos frutos, de cor vermelha. Possui vigor e boa tolerância também a períodos de estresse hídrico. É oriunda de seleções dentro do material de Catucai Vermelho, híbrido natural entre o Icatu e o Catuai, que apareceu em S.J.V. Rio Preto (RJ), em 1984 e 1985. Depois disso, foi selecionado, em gerações sucessivas, na Fazenda Experimental de Varginha e em campos de diversas regiões cafeeiras.

Fonte: Embrapa Café – Gerência de Transferência de Tecnologia (Carolina Costa e Lucas Tadeu Ferreira)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *