Praga preocupa setor cafeeiro e causa prejuízos no Espírito Santo

Imprimir

Uma das mais importantes pragas do café, os nematoides causam sérios prejuízos para os cafeicultores. No Espírito Santo, a incidência da doença está preocupando os produtores do grão que, nos últimos anos, observam diversos fatores contribuindo para o aumento no índice de lavouras infestadas pela praga, como a adoção da monocultura e o restrito uso de matéria orgânica.

As plantas afetadas pela praga apresentam sintomas diversos, dependendo da espécie do nematoide, da densidade populacional e das condições ambientais. “Um ponto importante a se considerar é que os sintomas da parte aérea nem sempre são específicos do ataque de nematoides, podendo ser inclusive devido a causas abióticas, como desequilíbrio nutricional, compactação do solo e outros problemas físicos”, alerta o pesquisador do Instituto Capixaba de Pesquisa Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), Inorbert de Melo Lima.

De acordo com Inobert, o produtor pode observar dois tipos de sintomas, no sistema radicular e na parte aérea. “No primeiro caso, a estrutura interna da raiz é sempre modificada no local de alimentação do parasito. Uma das primeiras respostas das plantas hospedeiras aos nematoides deste gênero é a formação de galhas em suas raízes, porém, nem todas as espécies desenvolvem galhas no cafeeiro”, diz. Já nos sintomas da parte aérea, de acordo com o pesquisador, em campo observa-se que as plantas atacadas se tornaram fracas e apresentaram murcha nas horas mais quentes do dia. “Com o tempo, consecutivas safras, observa-se declínio das plantas, queda prematura das folhas e da produção além de sintomas de deficiências minerais”, afirma Inorbet.

O combate à praga – O controle do nematoide no cafezal pode ser feito com aplicação de produtos específicos para este problema agrícola. Uma das ferramentas é o nematicida Rugby 200 CS, da FMC, com distribuição no Espírito Santo pela Defagro, que apresenta como diferenciais a formulação líquida e micro-encapsulada, longo residual e ação por contato e ingestão. “Este produto é diferenciado e proporciona benefícios ao produtor como a liberação gradual e prolongada ação residual, rápido início de controle e ação sobre todas as fases dos nematoides”, destaca o gerente da Defagro, Olivério Neves Poltronieri.

Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *