Pesquisadores da Epamig reúnem-se no Cerrado Mineiro para levantamento de demandas de pesquisa

Imprimir
Um grupo de 26 pessoas incluindo pesquisadores de diversas linhas de pesquisa, gerentes de Campos Experimentais, técnicos e bolsistas da Epamig – Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais –, estiveram imersos na Região do Cerrado Mineiro para discutirem as demandas de pesquisa voltadas especificamente para a cafeicultura desta região, a única Denominação de Origem para cafés no Brasil. O encontro do Programa de Pesquisa em Café da EPAMIG, liderada pelo Dr. César Elias Botelho aconteceu nos dias 26 e 27 de setembro, na estrutura do Centro de Excelência do Café em Patrocínio e os pesquisadores fizeram também visitas a propriedades em Patrocínio e Serra do Salitre.

O coordenador de Pesquisa e Desenvolvimento da Fundaccer, Dr. João Paulo Felicori Carvalho apresentou a Denominação de Origem Região do Cerrado Mineiro e também os projetos que já estão em andamento na parceria público privada entre a Fundaccer, a Federação dos Cafeicultores do Cerrado e a Epamig, como o Encontro de Inovação e Tecnologia para a cafeicultura do Cerrado Mineiro, o projeto de unidades demonstrativas e a campanha de combate a broca-do-café.

O engenheiro agrônomo e gerente de produção agrícola da Montesa Agropecuária, Flávio Bambini apresentou um completo panorama da cafeicultura do Cerrado Mineiro e alguns temas e demandas de pesquisa. Entre os assuntos levantados, estão maiores estudos em relação ao solo como cultivares adequadas para diferentes tipos de solo, uso de matéria orgânica e microrganismos. Ainda relacionado ao solo, mais especificamente a irrigação Bambini mencionou a necessidade do desenvolvimento de um material técnico voltado para projetos de gotejo e aspersão. Outros temas foram levantados como estudos relacionados a controle de pragas e doenças utilizando-se de ativos químicos, mas também biológicos, entre outros.

Ainda no dia 26, no período da tarde os pesquisadores visitaram a Fazenda Rainha da Paz, do produtor Marcelo Montanari, onde está implantado uma unidade demonstrativa do projeto “Validação de cultivares de Cafeeiro para Região do Cerrado Mineiro”, projeto este da parceria Epamig/Fundaccer, que avalia 12 cultivares em 27 campos experimentais em relação a qualidade de bebida, resistência a pragas e doenças e também produtividade em diversas microrregiões; também na fazenda Rainha da Paz existe um campo de progênies em fase de teste com mais de 13 mil plantas que foi visitado pelo grupo.

O segundo dia foi divido entre uma reunião onde o grupo discutiram as demandas levantadas e os caminhos a serem seguidos para tentar solucionar as mesmas; e uma visita a Montesa Agropecuária em Serra do Salitre, onde puderam conhecer os laboratórios, a casa de vegetação e a unidade de beneficiamento de sementes.

Segundo o coordenador do programa estadual de cafeicultura da Epamig Dr. César Elias Botelho o encontro foi extremamente produtivo. “Foi muito bom ver as parcerias acontecendo e as pesquisas aplicadas, como no caso dos campos experimentais. Esse encontro serviu para aproximar os pesquisadores das tecnologias que estão sendo empregadas no campo e também nos trazer as demandas de maneira direta” – finalizou Botelho.

Números da Parceria no Cerrado Mineiro
A parceria entre a Epamig, a Federação dos Cafeicultores do Cerrado e Fundaccer já tem apresentado bons resultados e o objetivo é quem em 2019 a parceria seja fortalecida.
• Ensaios/experimentos: mais de 100
• Produtores beneficiados diretamente: 2000
• Valores investidos: R$2.445.980,00
• Tecnologias geradas: Cultivares MGS Paraíso 2; MGS Ametista e MGS EPAMIG 1194

Fonte: Departamento de Comunicação e Marketing da Federação dos Cafeicultores do Cerrado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *