Palestras sobre café e biodiversidade marcam o Simpósio Internacional de Biodiversidade na UFLA

Imprimir

Com o intuito de promover o debate sobre pesquisas e temas ligados à biodiversidade, a Universidade Federal de Lavras (UFLA), encerrou na última quarta-feira (4) o Simpósio Internacional de Biodiversidade (Sinbio). O café, um dos destaques do evento, foi objeto de debates e palestras com a realização da plenária “Café e Biodiversidade” ocorrida na terça-feira (3) e que contou com a presença de importantes melhoristas de café do Brasil e do mundo.

O coordenador da plenária Café e Biodiversidade, professor Antônio Nazareno Guimarães Mendes, fez uma avaliação do simpósio e destacou que o objetivo de reunir os melhoristas de café foi cumprido.

“A meta foi alcançada. Atingimos o objetivo de reunir os melhoristas que trabalham com café no Brasil e discutir aqui os programas de melhoramento, a exploração da diversidade genética que temos, além de contar com a participação do professor Andre Charrier, maior autoridade em biodiversidade de café em todo o mundo. A nossa expectativa é que as equipes que se envolveram aqui possam se integrar para que consigamos avançar ainda mais no melhoramento de cultivares nas diversas regiões produtoras”, explicou.

Após a abertura da plenária, o professor do Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento e da Escola Nacional Agronômica de Montpellier da França, Andre Charrier, abordou a Biodiversidade em Coffea em todo o mundo e a sua aplicação em programas de melhoramento genético.

Logo depois foi a vez do pesquisador do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), Oliveiro Guerreiro Filho, que apresentou uma palestra sobre a “Biodiversidade aplicada ao manejo integrado de pragas do cafeeiro”.

“A minha intervenção foi sobre o modelo de como a biodiversidade de cafeeiros pode ser útil para a cafeicultura brasileira. Então podemos usar uma espécie, que não tem importância econômica, e suas características para desenvolver variedades de café arábica que sejam adaptadas as nossas condições e possam contribuir com a cafeicultura brasileira”, disse Oliveiro Guerreiro.

A programação seguiu com a apresentação sobre a biodiversidade em sistemas de produção integrados de café no Brasil, feita pelo pesquisador da Emater-MG, Julian Carvalho. O melhorista Tumoru Sera do Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) deu detalhes sobre as pesquisas em biodiversidade na cafeicultura do estado. Já Luiz Carlos Fazuoli do IAC abordou o tema no contexto do estado de São Paulo, enquanto o melhorista Antônio Alves Pereira da Epamig falou sobre a biodiversidade em Minas Gerais.

A palestra sobre biodiversidade na produção de café Robusta no Brasil foi apresentada por Romário Gava Ferrão do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (INCAPER). O pesquisador destacou o desenvolvimento de pesquisas sobre a qualidade do café conilon.

O simpósio contou com mais cinco temáticas diferentes: Biodiversidade dos Biomas; Biodiversidade do Solo; Biodiversidade Microbiana e Inovações para a Indústria; Diversidade Cultural e Biodiversidade no Brasil; e Coleções de Culturas e Taxonomia de Cogumelos. O evento marcou também o aniversário de 105 anos da UFLA e a primeira edição da Semana de Ciência, Cultura e Arte (30 de agosto a 7 de setembro). O simpósio ainda servirá de preparação para o Congresso Internacional de Biodiversidade, que a UFLA sediará em 2015.

Apresentação do professor francês Andre Charrier

Fonte: Blog do Polo de Excelência do Café (Fabio Alvarenga)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *