Importantes pesquisas genéticas do cafeeiro são desenvolvidas no Cerrado Mineiro

Imprimir

O coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do Café (INCT Café), Mário Lúcio Vilela de Resende, visitou a Fazenda Experimental da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), em Patrocínio, na região do Cerrado Mineiro. No local, são desenvolvidas importantes pesquisas genéticas do cafeeiro. A visita, que ocorreu durante toda a última semana, contou também com a presença do pesquisador da Epamig, Antônio Alves Pereira, e o pesquisador da Embrapa, Antônio Carlos Baião de Oliveira.

Acompanharam ainda as pós-doutorandas do Programa Nacional de Pós Doutorado da Capes (PNPD), Deila Magna dos Santos Botelho e Fernanda Gonçalves Martins Maia, além da bolsista do INCT Café, Stefanny Araújo Martins, que realizam uma seleção de material genético resistentes a doenças, sejam elas fúngicas ou bacterianas.

Mário Lúcio elogiou a estrutura da fazenda experimental e destacou a interação com a Epamig e a Embrapa, no sentido de caracterizar esses materiais resistentes, junto às outras instituições. “É importante fazer um screening, passar um pente fino, porque nós conhecemos bem a resistência à ferrugem, que é a principal doença do cafeeiro. Mas outras doenças como cercosporiose, antracnose e bacteriose, a gente não sabe o comportamento dos acessos a elas”, explicou o coordenador do INCT Café.

O pesquisador da Epamig, César Elias Botelho, ressaltou a importância do banco de germoplasma de café arábica, iniciativa do pesquisador Antônio Alves Pereira e que contém mais de 1.500 acessos.

“O banco de germoplasma de café da Epamig é o maior do Brasil. Ele tem uma importância muito grande para o melhoramento do café no país. Ele é fonte de estudo para diversas características de importância para a cafeicultura como resistência às doenças, resistências à seca e qualidade de bebida. O banco tem caráter multi-institucional, o que só otimiza o aproveitamento dele”, enfatizou Cesar

A região de Patrocínio, local da fazenda experimental, fica em uma grande área produtora de café. O cerrado mineiro envolve 55 municípios, entre o Alto Paranaíba e o Triângulo Mineiro.

O INCT Café faz parte de um dos maiores programas de Ciência e Tecnologia do Brasil e está sediado na Universidade Federal de Lavras, junto ao Polo de Excelência do Café. Com aporte financeiro do CNPq, Capes e da Fapemig, o INCT Café busca sua consolidação junto ao Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação.

Participam do INCT Café pesquisadores, bolsistas de graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado, além de representantes de diversas instituições de pesquisa, como a Universidade Federal de Lavras (UFLA), Universidade Federal de Viçosa (UFV), Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR), Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Embrapa Café, Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (INCAPER) e Instituto Agronômico de Campinas (IAC).

Fonte: Pólo de Excelência do Café

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *