Grupo Montesanto Tavares investe no mercado internacional

Imprimir

O grupo Montesanto Tavares, que tem como um de seus focos de negócio a promoção do café brasileiro no exterior, está com duas importantes novidades no mercado de grãos para a exportação. Sua trading Ally Coffee iniciou, em 2016, operações na Europa, com escritório na Suíça. Isso vai abrir mercado para produtores de cafés especiais, interessados em exportar, que poderão apresentar seus produtos para a Cafébrás, empresa do grupo, que busca parcerias no Brasil. Outra novidade é que a empresa será a primeira do mundo a utilizar a “QualiPak – sacaria de alta barreira”, embalagem que armazena os grãos para exportação, capaz de preservar o sabor, o aroma, o frescor, a qualidade e a cor dos grãos.

A inovação será apresentada ao mercado internacional na 28ª exposição da “Specialty Coffee Association of America”, realizada entre os dias 14 e 17 de abril, em Atlanta, no estado da Geórgia, Estados Unidos. A nova embalagem foi desenvolvida pela Videplast, empresa brasileira de embalagens plásticas flexíveis, em parceria com a Universidade Federal de Lavras (Ufla), e contou com o envolvimento de pelo menos 20 especialistas, entre doutores e engenheiros da Ufla e da Videplast, durante dois anos e meio de estudos.

Composta por várias camadas de resinas, substâncias recicláveis, a QualiPak substitui a juta e o liner, usados atualmente para embalar o café brasileiro. Desta forma, a embalagem protege os grãos de reações com oxigênio, umidade e temperatura, evitando, ao longo do tempo, a perda de suas principais propriedades e características. O material é reciclável, de envase direto, paletizável, o que reduz o custo de carga e descarga de container em 60% em relação ao sistema atual, além de ser passível de rastreabilidade.

O CEO da Ally Coffee, Bruno Tavares, garante que a QualiPak vai preservar a qualidade do café brasileiro até chegar à mesa do consumidor final, em qualquer parte do mundo. “Com essa nova embalagem, queremos aprimorar nossa logística e mostrar para o mercado internacional a verdadeira qualidade e sabor do café brasileiro”, ressalta.

Atributos pelo mundo

A Ally atua como importadora e distribuidora de café no mercado americano e, agora, no europeu. Em janeiro de 2016, iniciou operação na Europa, abrindo escritório na Suíça. Já seu escritório principal de vendas está localizado na cidade de Plantation, no estado da Flórida, Estados Unidos, e a empresa ainda possui filiais em Los Angeles, na Califórnia (EUA), e em Greenville, na Carolina do Sul (EUA).

A trading, ao lado da Atlântica Coffee, Cafebrás, InterBrasil Coffee, localizadas no Brasil, compõe o grupo Montesanto Tavares, que atua há 12 anos no mercado nacional e internacional, na produção, exportação, importação, transporte e armazenagem do grão. O grupo conta com plantio de 3.200 hectares de café, distribuídos entre as cidades mineiras de Pirapora, Angelândia, Capelinha e Ninheira e no município baiano de Luís Eduardo Magalhães.

“Estar presente no mercado europeu contribui com o nosso objetivo de mostrar para o mundo que o Brasil tem café de excelente qualidade. Queremos desenvolver novos fornecedores, estimulando novos produtores de cafés especiais”, ressalta o empresário Ricardo Tavares, presidente do grupo, que projeta, para 2016, o faturamento de R$ 2 bilhões, um crescimento de 20% em relação a 2015.

Os cafés especiais têm ganhado força, uma vez que o consumidor tem procurado, cada vez mais, produtos diferenciados. De acordo com a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), esse segmento representa, hoje, cerca de 12% do mercado internacional da bebida. Os atributos de qualidade consideram características físicas, como origens, variedades, cor e tamanho, e preocupações ambientais e sociais, como sistemas de produção e condições de trabalho da mão de obra cafeeira.

O valor de venda atual para alguns cafés diferenciados tem sobrepreço que varia entre 30% e 40% em relação ao cultivado de modo convencional, mas, em alguns casos, pode ultrapassar os 100%. Para ser considerado especial, numa escala de 0 a 100 pontos, o grão deve ter nota acima de 80.  

28ª exposição da “Specialty Coffee Association of America”

Organizadores da 28ª exposição da “Specialty Coffee Association of America” esperam atrair público de aproximadamente 15 mil pessoas de diferentes países, nos quatro dias do evento. “Por esse motivo, essa exposição é considerada uma das principais do mundo dos cafés especiais, reunindo toda a cadeia envolvida. A Ally Coffee participa desde 2011, quando foi criada, com o objetivo de suprir o mercado americano”, explica Bruno Tavares.

Em 2015, a Ally Coffee reuniu mais de 150 pessoas na nova cafeteria da Starbucks, em Seatle (EUA), onde a empresa recebeu clientes e amigos do mundo do café. “Em 2016, decidimos que seria o momento de um novo desafio, de investir em um estande. Nosso principal objetivo é promover nossos produtores e seus cafés, que irão contar um pouco da sua história e como cada café é produzido. Estarão presentes parceiros do Panamá, Etiópia, Indonésia e Quénia”, ressalta o CEO.

No estande, a cafeteria será comandada pela Due South Coffee, da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, e de seus baristas, que estarão servindo expresso, cappuccino e cafés coados. “Teremos as duas pontas da cadeia do café reunida: produtor e torrador”. Outro momento importante será a degustação dos principais lotes de café da Fazenda Primavera (integrante da empresa Atlântica Coffee, do grupo Montesanto Tavares), produzidos na última safra. “Dessa forma, poderemos divulgar todo o trabalho desenvolvido pela fazenda em busca de atender o mercado de cafés especiais”, planeja.

Fonte: Press Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *