Gestores empresariais darão curso sobre comercialização de café

Imprimir

No VII Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil, a comercialização do café, assunto de grande relevância nacional, será tema do mini-curso apresentado pelo administrador de empresas Bruno Forzza Sarcinelli e pelo gestor empresarial Geraldo Eustáquio Miranda. No ano passado, o país produziu 48 milhões de sacas de 60 kg. Além de superar todas as expectativas de produção, quase 70% da safra foi destinado à exportação, consolidando o Brasil como o maior produtor e exportador de café do mundo.

Entre novembro de 2009 e outubro de 2010, registrou-se o consumo de 19,13 milhões de sacas, representando um acréscimo de 4,03% em relação ao período anterior correspondente, que havia sido de 18,39 milhões de sacas. O resultado mostra que o País ampliou seu consumo interno de café em 740 mil sacas no período considerado.

Diretor financeiro do Centro do Comércio de Café de Vitória, Forzza é pós-graduado em Comércio Exterior e trabalha há 17 anos na Custodio Forzza Comércio e Exportação. Sua empresa é uma das líderes em volume de exportação e comercialização de conilon no Brasil. O empresário acredita que sua aula deve atrair, especialmente, o público voltado para a cadeia produtora e comercial de café. “No curso, pretendo mostrar como é feito o comércio do conilon, desde o produtor até o destino final no país”, explica o administrador.

Quanto aos resultados gerados pela aula, Forzza espera que as pessoas se familiarizem com o tema. “O mini-curso será uma maneira interessante de introduzir as pessoas não acostumadas ao conilon brasileiro. Buscando isso, explanarei como é feita sua comercialização no país e no mundo”, afirma.

O oferecimento de um curso a respeito do tema é de grande relevância para manter o comércio nacional à frente nos quesitos de produção e exportação. “O Brasil é e será por muito tempo o player mais importante do mundo quando se tratar de café! Portanto, quanto mais informadas estiverem as cadeias de produção e comercialização, melhor a qualidade do produto e, conseqüentemente, mais bem os produtores e empresários estarão preparados para a consolidação do mercado no futuro”, prevê Forzza.

Formado em Adminístração e pós-graduado em Gestão Empresarial, Miranda é superintendente da Expocaccer – Cooperativa dos Cafeicultores do Cerrado desde 1997. Ele é responsável pelo Departamento Comercial da Cooperativa nos mercados interno e externo, além de cuidar da estruturação de operações destinadas ao gerenciamento de risco de preços. O gestor explica que apresentará informações acerca do mercado, além de dados estatísticos para formação de cenários e, com isto, dar suporte aos produtores na formação de estratégias comerciais. “A aula será voltada para os sinais do mercado e às estruturas hoje disponíveis aos produtores para o planejamento comercial e o gerenciamento de riscos”, esclarece.

Ao final do curso, as expectativas de Miranda são de aumentar o conhecimento dos produtores quanto às diversas ferramentas de comercialização de café além das disponíveis no mercado tradicional. De acordo com o gestor, o conhecimento permite uma maior segurança ao mercado. “Trata-se de gestão de risco, já que o café é uma das commodities mais voláteis que existem. O produtor precisa garantir o preço e, conseqüentemente, margem em sua atividade”, conclui.

O VII Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil será realizado no Tauá Grande Hotel Termas e Convention, em Araxá (MG). O evento é uma realização do Consórcio Pesquisa Café, com organização da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Universidade Federal de Lavras (UFLA), Universidade Federal de Viçosa (UFV) e co-organização da Embrapa Café. O mini-curso sobre comercialização do café será oferecido em 23 de agosto, no Tauá Grande Hotel Termas e Convention, em Araxá (MG). Saiba mais sobre o evento e faça sua inscrição, CLICANDO AQUI.

Fonte: Área de Comunicação da Embrapa Café 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *