Falta de café preocupa indústria e vai pesar para consumidor

Imprimir
Prepare o bolso. O café vai esquentar. O setor passa por dificuldades de abastecimento nunca antes registradas.

A queda na produção do café tipo conilon, provocada por efeitos climáticos, está desestruturando o mercado.

O consumo nacional desse tipo de café é de 12,2 milhões de sacas por ano. O Brasil produziu apenas 8,4 milhões de sacas. Essa demanda deverá ser coberta pelo café do tipo arábica.

“É um cenário que nunca vi antes”, diz Nathan Herszkowicz, diretor-executivo da Abic (Associação Brasileira da Indústria de Café).

“Há um desabastecimento que afeta tanto o setor interno como o externo”, complementa.

Herszkowicz diz que a indústria é afetada não só pela falta de produto, e consequente elevação de preços, mas também por ter de fazer um rearranjo industrial.

Com menos conilon, que em geral responde por 40% da mistura do café que vai ao supermercado, a indústria tem de mudar a composição de seu “blend”.

Essa mudança de “blend” traz consequências tanto para o consumidor, acostumado ao sabor do produto, como para a empresa.

Após industrializados, esses cafés têm volumes diferentes, o que traz problemas até na hora de embalar, segundo Herszkowicz.

O que mais preocupa a indústria é que esse cenário de dificuldade não é passageiro. A safra que está em curso não promete muito, uma vez que vai viver a chamada bienalidade, período de menor produção devido ao estresse da planta no ano anterior. E a importação de café não é permitida.

Tradicionalmente com preços menores, a saca de café conilon está em R$ 481, acima dos R$ 450 do arábica.

Neste momento, a alta de preços do conilon eleva também o do arábica, e os produtores que ainda têm café aguardam preços melhores, aumentando a ausência do produto no mercado, segundo Herszkowicz.

Esses custos vão ser repassados para o consumidor. O repasse vai depender do comportamento dos preços da matéria-prima.

O café que o consumidor encontra nos supermercados tinha próximo de 40% de conilon e o restante de arábica. Com a queda de oferta de conilon, alguns “blends” já trazem apenas 20% desse tipo de café.

O café arábica tem aroma e sabor mais intensos e mais consistentes. Ele dá gosto ao café.

Já o conilon não tem tantas variações como o arábica. É mais encorpado e tem mais cafeína, tendo um sabor mais amargo.

FOLHA DE S. PAULO – VAIVÉM DAS COMMODITIES – 15/10/2016 – 02H00

POR MAURO ZAFALON

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *