Estudo destaca a importância da mensuração dos gases de efeito estufa emitidos na produção de café

Imprimir
Você já ouviu falar no termo “Pegada de Carbono”? Nos dias de hoje, conceitos como sustentabilidade, rastreabilidade e consciência ecológica envolvem diversas atividades, entre as quais está a cafeicultura. Com base em tais tendências, o aluno do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Heitor Parreiras, apresentou, recentemente, a monografia intitulada “Emissão de gases de efeito estufa da cafeicultura em diferentes tipos de produção e regiões brasileiras”, constatando, em linhas gerais, que os produtores que têm consciência do quanto emitem obtêm maior competitividade no mercado.

O estudo recebeu orientação da professora DSc. Sílvia de Nazaré Monteiro Yanagi e coorientação do professor DSc. Luiz Gonzaga de Castro Junior e utilizou dados coletados por meio do projeto Campo Futuro – iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), em parceria com o Centro de Inteligência em Mercados (CIM), vinculado à Agência de Inovação do Café (InovaCafé), com sede na UFLA.

Heitor Parreiras, aluno do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Federal de Lavras (UFLA), apresentou a monografia “Emissão de gases de efeito estufa da cafeicultura em diferentes tipos de produção e regiões brasileiras” (Foto: Divulgação Ascom InovaCafé)

Pesquisa
No trabalho, foram utilizadas as metodologias IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) e GHG Protocol, ferramenta que permite o gerenciamento das emissões de gases de efeito estufa (GEE), direcionando-as à atividade cafeeira. A pesquisa envolveu 13 municípios produtores de café. O estudante baseou-se nos métodos para desenvolver um modelo, o qual foi aplicado nos dados de custo de produção em 2017, divididos em atividades ocorridas durante o ano agrícola, coeficientes técnicos de máquinas (operações mecanizadas) e aplicação de insumos (fertilizantes orgânicos, fertilizantes nitrogenados sintéticos, ureia, calcário e defensivos).

Na sequência, foi avaliada e comparada a emissão de gases na produção do Coffea canephora e Coffea arabica e, nesta última espécie, os diferentes tipos de produção: manual, semimecanizada e mecanizada. O estudo comparativo demonstrou que a emissão de GEE cresce conforme o nível de mecanização. Além disso, foi possível constatar que em quase todos os municípios analisados a emissão proveniente da aplicação de fertilizantes nitrogenados sintéticos configura a maior parte dos gases emitidos. Também, de acordo com o autor, a produção de C. canephora emite mais gases que a produção de C. arabica.

A pesquisa atestou, ainda, a importância da realização de um inventário de emissão de GEE, pois, a partir dele, é possível comparar a emissão de gases de café de diferentes produtores, distinguindo-os quanto a seus potenciais sustentável e ecológico.

>>> Pegada de Carbono
O termo refere-se à mensuração da quantidade total da emissão de dióxido de carbono, acumulado – direta ou indiretamente – por uma pessoa, organização, evento ou produto durante as etapas de sua vida.

Fonte: Ascom InovaCafé

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *