Epamig reúne 60 pequenos cafeicultores em curso do projeto agroecologia

Imprimir
Cerca de 60 pequenos cafeicultores da microrregião de Viçosa participaram na quinta-feira, 14/3, do curso sobre boas práticas agrícolas no manejo da lavoura cafeeira, apresentado por pesquisadores da EPAMIG e técnicos da regional da Emater-MG. A atividade é parte do projeto Popularização do conhecimento técnico, científico, e tradicional de práticas agroecológicas, coordenado pela EPAMIG e financiado pelo CNPq, que tem levado para todas as regiões do estado temas voltados à conservação da biodiversidade e dos recursos naturais, à segurança e à soberania alimentar, à redução do uso de agrotóxicos e ao desenvolvimento rural sustentável.

O curso foi realizado na Fazenda Boa Safra, no município de Paula Cândido, considerada modelo de boas práticas em cafeicultura por empregar tecnologias adequadas à conservação do solo, bom aproveitamento da água, controle natural de pragas, entre outros. Os participantes percorreram a lavoura e aprenderam mais sobre a escolha das variedades de café, implantação da cultura, espaçamento, poda e pós-colheita, como a utilização da água residuária do processamento dos grãos, secagem e armazenamento. “Por ser uma cultura perene e principalmente por buscar resultados econômicos, o cafeeiro requer atenção; erros como utilização de mudas malformadas e implantação incorreta da lavoura acarretam prejuízos para o produtor”, ressalta o pesquisador Marcelo de Freitas Ribeiro, chefe da EPAMIG Sudeste e um dos responsáveis pelo curso.

A EPAMIG fez ainda o lançamento da publicação Boas práticas agrícolas no manejo da lavoura cafeeira. O pequeno produtor Carlos Francisco de Souza, do distrito de Buieié, era um dos mais interessados nas tecnologias, já que pretende aumentar a lavoura. “Tenho apenas 2 mil pés, mas sei que para produzir mais preciso aprender a fazer tudo certinho”. O cafeicultor Sebastião Maximiniano Teodoro, de bairro Pedreira (Viçosa), sempre participa dos cursos da EPAMIG. “Procuro adotar tudo o que aprendo em minha lavoura, que conta com 14 mil pés, e tenho visto bons resultados”, disse.

Para a coordenadora do Programa de Agroecologia da EPAMIG, Madelaine Venzon, que também é responsável pelo projeto Popularização do conhecimento técnico, científico, e tradicional de práticas agroecológicas, a ideia é realizar eventos para que os participantes se tornem multiplicadores da agroecologia. “Queremos proporcionar a troca de experiências, levando conhecimento formal aos produtores e demonstrando que há tecnologias simples e métodos práticos que unem o desenvolvimento da lavoura à conservação do meio ambiente”, ressalta. Amanhã, 19, e na próxima semana, dia 26, o mesmo curso será apresentado respectivamente nos municípios de Patrocínio e de Viçosa.

Fonte: Ascom Epamig

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *