Curso do Senar vai ajudar Associação de Cafeicultores de Araponga na Classificação do Café

Imprimir
Integrantes da Associação de Cafés Especiais de Araponga (ASCA) participam, nesta semana, do curso de Classificação e Degustação de Café, oferecido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Minas) em parceria com o Sindicato de Produtores Rurais de Viçosa e o Centro de Excelência do Café. O treinamento termina nesta sexta-feira (27) no campus da Universidade Federal de Viçosa (UFV). A ASCA se formou há quatro meses e está em busca de conhecer melhor o café produzido e ganhar poder de negociação no mercado.

Um dos participantes é o vencedor nacional do 27º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade Sustentável do Café para Espresso, o cafeicultor Raimundo Dimas Santana, que também é o presidente da associação. A família dele está há mais de 20 anos na cafeicultura e ele, há cinco.

“Nós nos associamos para ter mais força e para buscar mercado para o nosso café. Queremos saber qual o produto que estamos vendendo. Vamos saber o padrão, a qualidade, o que ele tem de característica intrínseca das Matas de Minas, o que sobressaiu nele. E essa qualidade vem do bom trato desde o pé”, destacou.

Entre os temas abordados no curso, ministrado pelo instrutor Marcos Reis, estão a classificação do café por tipo, pelas características físicas de qualidade, por características da bebida, diferenciando os diversos aromas e paladares e o reconhecimento dos aspectos referentes ao preparo e armazenagem dos cafés gourmets e/ou especiais, utilizando modelos padronizados por certificadoras.

Após esse treinamento, os associados já pensam em fazer outras qualificações, como de Torra e de Classificação de Cafés Especiais. “Teremos a propriedade de dizer se o produto é bom, qual o preço. É mais fácil para negociar quando você sabe o que está produzindo. Isso tinha que ser obrigatório. É um diferencial”, disse a cafeicultora Andreia Miranda.

Prêmio Illy

Raimundo Dimas Santana viajará com os outros vencedores para Nova Iorque em outubro para participar do 3º Prêmio Ernesto Illy Internacional. A premiação internacional reunirá 27 cafeicultores selecionados de nove países que fornecem grãos para a illycaffè. “Só em um ano não fomos finalistas, mas não desistimos. Melhoramos o processo e a qualidade. É preciso estar sempre monitorando a qualidade ao longo de todo o processo”, contou.

Na categoria regional, a torrefadora italiana concedeu prêmios a Raimundo Dimas Santana e à integrante da ASCA, Simone Aparecida Dias Sampaio Silva, de Araponga. Simone também é assistida pelo Senar Minas no programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG Café), que busca ajudar os produtores a vencer desafios a partir da transferência de tecnologia associada à consultoria gerencial.

Fonte: Assessora de Comunicação – Regional Viçosa (Por Nathalie Guimarães)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *