COOXUPÉ abre painel sobre café em evento realizado pela BM&FBOVESPA e pelo MAPA

Imprimir

Colaboradores e diretoria da COOXUPÉ, maior cooperativa do mundo com atuação no Sul de Minas, Cerrado Mineiro e Vale do Rio Pardo, no estado de São Paulo, estiveram em São Paulo na terça-feira, 22, para acompanhar o seminário “Perspectivas para o Agribusiness em 2012 e 2013”, evento realizado pela BM&F Bovespa e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Com o objetivo de traçar as perspectivas das produções agrícolas brasileiras em 2012/2013, analisando cenários macros e tendências de consumo mundial, o evento foi um importante aliado dos produtores e empresários do agronegócio e reuniu renomados especialistas do setor. “Estamos aqui para aprender e avaliar as melhores estratégias e negociações para os nossos 12 mil cooperados. Eventos como este são importantes para as futuras decisões que tomamos na cooperativa”, avaliou o presidente da COOXUPÉ, Carlos Alberto Paulino da Costa.

Carlos Paulino também foi o responsável pela abertura do painel “Perspectivas do mercado de Café”, que contou com a palestra do economista e diretor da Valorização Empresa de Café, Luiz Otávio Araripe. O painel foi realizado sob coordenação de Luiz Suplicy, da Fazenda Jamaica, e Eduardo Carvalhaes, do Escritório Carvalhaes. “O potencial para ampliação de mercado do café brasileiro é enorme, pois países populosos como a China e a Índia, que ainda consomem muito pouco, estão descobrindo a bebida – principalmente pelo crescimento das redes internacionais de cafeterias nestes países”, definiu Araripe.

Para o economista, apesar da baixa dos preços, a previsão é de um cenário positivo na cafeicultura brasileira para os próximos três anos com a queda de estoques e a demanda crescente no mundo – que deve registrar um aumento de 2% no consumo da bebida.

Além de reunir especialistas do mundo inteiro para traçar as tendências do agronegócio em 2012/2013, o seminário discutiu algumas das principais cadeias produtivas do Brasil, entre elas: milho, aves e suínos, café, algodão, açúcar e etanol, pecuária de corte e soja.

Entre os principais temas debatidos estavam as ações governamentais que estão sendo desenvolvidas para alavancar o agribusiness, as dificuldades nas questões logísticas do país, alterações cambiais e suas influências, aplicação de tecnologia no campo, crise na Europa, crescimento de mercados consumidores, projetos de baixo carbono e ligados à sustentabilidade, além de outros.

Fonte: Phábrica de Ideias – Assessoria de Imprensa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *