Consequências da seca preocupam quem cultiva café em Minas Gerais

Imprimir

Em Minas Gerais, os cafeicultores estão encerrando a colheita e a preocupação agora é com os efeitos da seca na próxima safra.

Em uma lavoura de 40 hectares em Três Pontas, no sul do estado, que fica em área de serra, com temperatura mais amena, mesmo com a boa localização, as plantas sofreram muito com a falta de chuva. “A gente esperava uma produção melhor, mas tivemos uma queda em torno de 2/3”, diz o agricultor Juarez Reis.

Em todo município de Três Pontas, a colheita já ultrapassou os 95% e os trabalhadores fazem agora a varrição dos grãos. A preocupação é com a próxima safra. Os cafezais que não produziram este ano e receberam a poda, já dão sinais de que o desenvolvimento não está bom.

Com a estiagem, as plantas cresceram pouco e os ramos se desenvolveram menos que o esperado. Em setembro, começa a florada e se a chuva não vier, a situação pode ficar ainda pior.

Em outra propriedade, metade da lavoura de 22 hectares foi podada em junho do ano passado. A esperança é que a safra de 2015 rendesse 800 sacas, mas as plantas não tiveram água o suficiente para desenvolver os galhos e folhas e a estimativa de quebra na produção é de 20%. “Se não vier a chuva nesses próximos dias, esse número pode aumentar”, conta Leandro Nascimento, gerente da fazenda.

Fonte: Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *