Conselho Diretor do CNC aprova plano de trabalho

Imprimir

Reunidos na última sexta-feira, 16 de dezembro, na sede da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (SEAPA), os conselheiros diretores do Conselho Nacional do Café (CNC) aprovaram, por unanimidade, o plano de trabalho apresentado pelo presidente executivo da entidade, Silas Brasileiro.

“Dessa forma, o compromisso com geração de renda, manutenção de preços remuneradores, capital de giro para cooperativas, chegada dos recursos do Funcafé aos produtores, conhecimento do passivo financeiro, tributação incidente na cadeia, programas de qualidade, origem e certificação, georreferenciamento, pesquisa, renovação do parque cafeeiro com o intuito de aumentar a produtividade, avaliação do peso do endividamento sobre a produção de café, cálculo do que representam 10 anos do cultivo de café comercializado abaixo do custo de produção e o tempo que será necessário aos preços presentes para cobrir este prejuízo, entre outros, concretizam-se como idéia fixa de todos os membros do Conselho”, explica.

O novo plano de ação do CNC também inclui sinergia com os órgãos governamentais, em especial com os Ministérios da Agricultura e da Fazenda e a Conab, o setor privado, como a CNA e as Federações de Agricultura, a OCB e sua representatividade estadual, a Sociedade Rural Brasileira, a Abic, a Abics e o CeCafé, e os governos e as secretarias de Agricultura dos Estados produtores, incluindo, ainda, a Organização Internacional do Café (OIC), para melhor estruturar as estatísticas e a apuração dos custos de produção do setor. “Esse trabalho conjunto permitirá termos fontes únicas e confiáveis sobre a cafeicultura nacional e mundial, de maneira que possamos reduzir ao máximo as especulações”, declara o presidente.

FECAFÉ E GEORREFERNCIAMENTO
Ainda na sexta-feira passada, o presidente executivo e os conselheiros diretores do CNC prestigiaram o lançamento do Fundo Estadual do Café de Minas Gerais (Fecafé) e o compromisso da implementação do georreferenciamento assumido pelo governador Antônio Anastasia.

Para Brasileiro, a criação do Fundo vem ao encontro da promoção do desenvolvimento econômico e social, bem como da competitividade e da sustentabilidade da cadeia produtiva do café no Estado. “O Fecafé será vital, pois tem a finalidade de dar suporte financeiro a planos, programas, projetos e ações relacionadas à cafeicultura em Minas Gerais, além de servir de exemplo para que outros Estados adotem uma postura semelhante”, comemora.

Em relação ao georreferenciamento, o presidente executivo do CNC salienta que essa ferramenta terá vital importância para o planejamento do setor. “O georreferenciamento nos possibilitará saber de fato qual o tamanho e a idade do parque cafeeiro de Minas Gerais, bem como quantos produtores somos e onde estamos localizados. Essas informações são fundamentais para elaborarmos um projeto de renovação dos cafezais, envolvendo, entre outras ações, plantios com espaçamentos diferentes e variedades mais resistentes e produtivas”, frisa.

CONCURSO DE QUALIDADE
O anúncio dos vencedores do VIII Concurso Estadual de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais também foi acompanhado por Silas Brasileiro, que foi o idealizador do certame quando Secretário de Agricultura do Estado. “O café é vital nos aspectos econômicos, sociais e ambientais, contribuindo sobremaneira para o crescimento do PIB mineiro, para a geração de renda e para a preservação ambiental das propriedades onde é cultivado. Portanto, todo o reconhecimento aos produtores, como esse do governo estadual, estimula a manutenção de milhões de empregos, preserva a biodiversidade e dá condições dignas de vida aos envolvidos na atividade”, anota.

Reconhecendo a busca por qualidade de todos os produtores de café no Brasil, nessa oportunidade específica o CNC, através de seu presidente executivo, parabeniza Antônio Mello Canato (Carmo de Minas), Acácio José Dianin (Monte Carmelo) e Thamires Rodrigues Ferreira (Manhumirim), vencedores da categoria natural, e José Wagner Ribeiro Junqueira (Carmo de Minas), Amélia Ferracioli Delarisse (Patrocínio), José Rocha (Manhuaçu) e Cláudio Esteves Gutierrez (Água Boa), vitoriosos na categoria cereja descascado do VIII Concurso Estadual de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais.

Por fim, Silas Brasileiro analisa que a assembléia do Conselho Nacional do Café realizada na última sexta-feira, a qual contou com a participação de aproximadamente 70 representantes, foi um marco para a nova fase da produção de café no Brasil.

Fonte: Ascom Conselho Nacional do Café (Paulo André Colucci Kawasaki)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *