Cepea: marcada pela menor qualidade, colheita de café arábica está próxima do fim

Imprimir
A colheita de café arábica da temporada 2019/20 pode ser finalizada nas próximas semanas. Com o clima mais firme durante a maior parte das últimas semanas, as atividades no campo seguiram em ritmo acelerado, restando apenas as varrições. A expectativa é de que a maioria das atividades seja encerrada já nesta primeira quinzena do mês, restando algumas lavouras mais atrasadas para o final de agosto.

Regionalmente, a colheita ultrapassa os 95% no Noroeste do Paraná. Em Garça (SP) e no Cerrado Mineiro, as atividades também estão bem avançadas, de 90 a 95% do volume já colhido. Na Mogiana (SP) e na Zona da Mata (MG), os trabalhos variavam de 80 a 95%. Por fim, no Sul de Minas, esse percentual era de 80 a 90%.

Vale apontar que a colheita está mais adiantada em relação à safra de 2018/19, quando as atividades foram finalizadas em setembro. Por outro lado, enquanto na temporada anterior teve-se um elevado percentual de grãos de alta qualidade, 2019/20 está sendo marcada por grãos mais inferiores. Segundo agentes, houve redução especialmente no volume produzido de cafés despolpados (cereja) e de qualidade superior (abaixo de 20% de catação, bebida dura a superior), cenário que também tem dificultado a entrega de lotes negociados anteriormente.

Nas regiões acompanhadas pelo Cepea, grande parte dos lotes apresenta aspecto e bebida baixos e elevado percentual de catação, devido às chuvas durante a colheita, que não só atingiram os grãos nos terreiros, como também derrubaram parte dos cafés dos pés. Peneira inferior e, consequentemente, menor rendimento, também são relatados nesta safra. Quanto à broca, têm sido um grande problema, principalmente na Zona da Mata, com quantidade significativa dos lotes atingida pela praga.

Com os trabalhos de colheita se aproximando do final, agentes do mercado também se atentam às floradas de 2020/21. Algumas flores pontuais já ocorreram em várias regiões em julho, em decorrência do baixo volume de chuvas daquele mês. Porém, na última semana, precipitações foram observadas em São Paulo e em algumas localidades do Sul de Minas e, com o aumento das temperaturas nessa última semana, novas florações poderiam ocorrer.

ROBUSTA – O clima em agosto tem sido benéfico às lavouras de robusta do Espírito Santo. Na parcial do mês (até o dia 11), foram registrados 82,8 mm na estação de São Mateus, 35,6 mm em Nova Venécia e 24,4 mm em Linhares, segundo dados do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). As chuvas, além de auxiliarem na condição das lavouras e no pegamento das flores da safra 2020/21, já abertas em julho – que já correspondem a cerca de 30% das lavouras capixabas de robusta –, devem favorecer a abertura de uma nova e significativa florada no estado.

Quanto a Rondônia, o clima segue mais firme, impossibilitando a abertura de uma boa florada. Segundo agentes, com as maiores temperaturas registradas no estado, as poucas flores que abriram nas lavouras irrigadas foram queimadas.

EMBARQUES – As exportações brasileiras de café iniciaram o ano safra de 2019/20 com bom desempenho. Em julho, os envios de café verde (considerando-se arábica e robusta) somaram 3,16 milhões de sacas, segundo o Cecafé (Conselho de Exportadores de Café do Brasil), 2,8% superior a junho. Em relação a julho/18, o avanço foi de 28,2%. Segundo o Conselho, os embarques também foram os maiores para um mês de julho em cinco anos.

Análise do mercado cafeeiro elaborada pela Equipe Café CEPEA/ESALQ.
Equipe: Dra. Margarete Boteon, Laleska Moda, Fernanda Geraldini e Renato Garcia Ribeiro.

Fonte: Agência Estado via CNC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *