Capixabas reapresentam estudo sobre estoques de café conilon

Imprimir
O deputado federal Evair Melo (PV-ES) reapresentou nesta tarde ao Ministério da Agricultura estudo com levantamento dos estoques de café conilon no Espírito Santo, que indica haver 4,462 milhões de sacas do produto armazenadas em municípios do Estado. No documento entregue hoje no ministério, o deputado informa que o estudo técnico é o mesmo que já havia sido protocolado na Pasta no dia 4 de janeiro deste ano.

Para parlamentares e lideranças do setor produtivo do Espírito Santos, esses números indicam que há estoques suficientes para atender a indústria de café e assim não seria necessário importar o grão verde robustas, como solicitam as empresas de solúvel e as torrefadoras em função da menor ofertas por causa da quebra da safra de conilon no Brasil.

Eles contestam o número levantado pela Conab, que indica a existência de 2,14 milhões de sacas de café conilon em estoques, volume considerado insuficiente para atender a demanda.

O estudo foi entregue novamente ao ministério porque o ministro da Agricultura Blairo Maggi definiu, na última terça-feira, o dia de hoje (sexta-feira 10/2) como prazo para que as lideranças capixabas comprovassem a existência de estoques de 4,46 milhões de sacas de café conilon nos estoques privados. Ficou acertado, na ocasião, que a Conab faria uma auditoria nos números apresentados pelos capixabas.

Ao Valor, Melo disse que o relatório entregue é retroativo a 4 de janeiro e que não considera a mobilidade de estoques entre municípios e o café comercializado dessa data até hoje. Também não leva em conta os estoques nas empresas. Ele estimou que o volume vendido no período esteja entre 600 mil e 700 mil sacas.

O deputado afirmou que o estudo já havia sido protocolado em janeiro, mas não teria sido apresentado ao ministro. Segundo apurou o Valor, na reunião de terça-feira passada, Blairo afirmou que não tinha conhecimento do número de 4,46 milhões de sacas do levantamento.

Maggi já declarou, em várias ocasiões, ser favorável às importações de café robusta do Vietnã, mas vem sendo pressionado pelo setor produtivo e por parlamentares capixabas. Com base nos números de estoques levantados pela Conab, técnicos do Ministério da Agricultura já produziram um relatório técnico que recomenda à Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão do governo, a importação de até 1 milhão de sacas por um período de quatro meses (fevereiro a maio) a uma tarifa de importação zero.

Procurado, o Ministério da Agricultura não se manifestou até a publicação desta nota. O ministro Maggi passou o dia no Paraná.

Fonte: Valor Econômico (Por Alda do Amaral Rocha)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *