Café ganha corpo e bate na máxima de seis semanas na ICE

Imprimir

Os contratos futuros de café arábica negociados na ICE Futures Us encerraram esta terça-feira com ganhos, ampliando ainda mais os ganhos produzidos nas últimas sessões e permitindo que o setembro chegasse a tocar na máxima de seis semanas. As ações da sessão estiveram centradas em compras especulativas, com o dezembro chegando a bater em 180,00 centavos por libra. Nesse patamar, no entanto, algumas realizações foram verificadas, os ganhos desaceleraram, mas as altas conseguiram se consolidar. Apesar dos ganhos efetivos, alguns operadores se mostram temerosos com possíveis correções, já que as altas foram produzidas muito rapidamente, o que pode abrir espaço para algumas ações corretivas. No entanto, o mercado se mostra consistente, conseguindo experimentar intervalos importantes e, principalmente, se afastando dos suportes atuais, que são as mínimas de junho passado.

O mercado externo também foi positivo nesta terça, com quedas do dólar em relação a várias moedas internacionais e ganhos para várias operações de risco, como as de commodities.

Tecnicamente, o mercado deixou de lado o viés sobrevendido, já que ao longo dos últimos dias as aquisições especulativas foram bastante consistentes.

Fundamentalmente, o mercado não vive maiores novidades, com as zonas cafeeiras brasileiras continuando a sofrer com a estiagem e com temperaturas muito altas. Essa falta de chuva, no entanto, ainda não afeta a produção do grão, segundo especialistas, que destacam que a necessidade de chuvas se dará nas próximas semanas, quando as plantas começam a ter maior necessidade de água para a floração. Segundo a consultoria Safras & Mercado, a colheita de café da safra brasileira de 2012/2013 atingiu 95% até o final da semana passada. Segundo a empresa, a colheita está atrasada em relação ao mesmo período do ano passado, quando 98% da safra 2011/2012 estava colhida.

No encerramento do dia, o dezembro em Nova Iorque apresentou alta de 390 pontos, com 177,55 centavos, sendo a máxima em 180,00 e a mínima em 173,10 centavos por libra, com o março tendo valorização de 415 pontos, com a libra a 181,15 centavos, sendo a máxima em 183,55 e a mínima em 176,55 centavos por libra. Na Euronext/Liffe, em Londres, a posição novembro teve alta de 7 dólares, com 2.066 dólares por tonelada, com o novembro tendo valorização de 10 dólares, com 2.079 dólares por tonelada.

De acordo com analistas internacionais, o dia foi caracterizado por boas compras, com os preço chegando a bater no melhor nível desde 6 de outubro. Nas máximas, contudo, as origens se mostraram efetivas e as cotações voltaram a flutuar no nível de 177,00, em uma sessão marcada por um volume relativamente alto de negócios.

De acordo com Nick Penney, alguns stops mais básicos foram verificados no patamar de 175,00 centavos, o que encorajou day traders e pequenos especuladores a buscar altas e eles podem ser estimulados a testar, no curtíssimo prazo, o intervalo entre 180,00 e 182,00 centavos. "As altas foram muito bem recebidas e alguns vendedores e origens se mostraram consistentes e comercializaram apenas 156 lotes nas máximas", indicou o especialista.

"Quando o dezembro bateu nos 180,00 centavos e os diferenciais ficaram nos 7 centavos acima, isso sugeriu uma boa oportunidade para que as origens brasileiras passassem a ofertar mais consistentemente", ressaltou Keith Flury, analista de commodities do Rabobank, que lembrou que o rally de coberturas de posição short das últimas três sessões foi o maior desde junho de 2010.

Um operador indicou que o mercado deu algumas indicações técnicas de correção, ao, na semana passada, ter um doble-bottom, ao falhar em duas tentativas — em 158,50 e 156,55 centavos — o rompimento do suporte mais efetivo do mercado atual, em 153,70 centavos, o que abriu espaço para os compradores, que, num forte rally, testaram a máxima de 180,00 centavos nesta terça, tendo, agora, duas resistências básicas pela frente, em 180,50 e 181,35 centavos, até a resistência mais forte, em 193,55 centavos, máxima de 20 de julho passado.

As remessas internacionais de cafe de El Salvador atingiram 49.166 sacas em agosto, o que significou uma queda de 37%, informou o Conselho Salvadorenho de Café.

As exportações de café do Brasil em setembro, até o dia 10, somaram 238.816 sacas, contra 318.375 sacas registradas no mesmo período de agosto, informou o Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil).

Os estoques certificados de café na bolsa de Nova Iorque tiveram alta de 10.297 sacas, indo para 2.018.403 sacas. O volume negociado no dia na ICE Futures US foi estimado em 41.491 lotes, com as opções, no floor, tendo 248 calls e 840 puts. Tecnicamente, o dezembro na ICE Futures US tem uma resistência em 180,00, 180,50, 181,00, 181,50, 182,00, 182,50, 183,00, 183,50, 184,00, 184,50, 184,90-185,00, 185,50, 186,00, 186,50, 187,00, 187,50 e 188,00 centavos de dólar por libra peso, com o suporte em 173,10-173,00, 172,50, 172,00, 171,50, 171,00, 170,50, 170,10-170,00, 169,50, 169,00, 168,50, 168,00 e 167,50 centavos por libra.

Fonte: Agnocafé

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *