Brasil: preços do café robusta avançam pouco em setembro

Imprimir

Os preços do robusta oscilaram no físico brasileiro ao longo de setembro, mas acumularam avanço no mês. O Indicador CEPEA/ESALQ do tipo 6 peneira 13 acima teve média de R$ 250,55/saca de 60 kg em setembro, alta de 0,85% em relação à de agosto. Para o tipo 7/8 bica corrida, a média foi de R$ 243,19/sc, elevação de 1,24% na mesma comparação – ambos a retirar no Espírito Santo. No mercado internacional, o contrato de robusta negociado na Bolsa de Londres (Euronext Liffe) com vencimento em novembro fechou a US$ 1,968/tonelada em 30 de setembro, queda de 3,2% na comparação com 29 de agosto.

Exportação de robusta na parcial da safra 14/15 já supera à de jul-dez/13
As exportações brasileiras de café robusta da atual temporada 2014/15 vêm registrando resultados superiores aos observados na safra anterior. Nos primeiros dois meses da atual temporada (julho e agosto/14), foram exportadas 794,6 mil sacas de 60 kg de robusta, totalizando receita de US$ 95,2 milhões, segundo dados do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (CeCafé). O volume e a receita já superam os registrados em todo o segundo semestre de 2013 (de julho a dezembro de 2013, primeira parte da safra 2013/14), quando 746,2 mil sacas de 60 kg foram embarcadas, gerando montante de US$ 91 milhões.

Segundo agentes consultados pelo Cepea, o aumento nas exportações pode estar atrelado à maior produção nacional da variedade e ao menor preço doméstico. Dados divulgados em setembro pela Conab indicam que a safra 2014/15 nacional de robusta está estimada em 13,03 milhões de sacas. Quanto ao preço, na atual safra 2014/15 (julho e agosto/14), a média (FOB) está em US$ 119,76/saca, valor 8% inferior ao do mesmo período de 2013/14. Com isso, o robusta brasileiro está mais competitivo no cenário internacional, aumentando o interesse de alguns países pelo produto brasileiro.

Além disso, o fato de o Vietnã, maior produtor mundial de robusta, só iniciar a colheita em outubro também favorece o desempenho brasileiro. A procura internacional pelo arábica também está maior nesta safra. Entre julho e agosto/14, foram exportadas 4,61 milhões de sacas da variedade, volume 15,7% superior ao do mesmo período de 2013, segundo o CeCafé. Quanto à receita, o avanço foi de expressivos 52,3% na mesma comparação, totalizando US$ 920 milhões nesta safra. Ainda considerando-se todos os cafés (verde, torrado e moído e solúvel), os embarques já superam as 6 milhões de sacas nos dois primeiros meses da temporada, volume 23,5% maior que o do mesmo período de 2013. Quanto à receita, os envios totalizaram mais de US$ 1,1 bilhão, o dobro na mesma comparação.

Fonte: Cepea/Esalq USP via CNC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *