Bovespa cai 0,89%, influenciada por pessimismo no exterior; dólar vai a R$ 1,76

Imprimir

Depois de oscilar perto da estabilidade no início do pregão, a Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) se firmou no terreno negativo nesta sexta-feira, seguindo os mercados internacionais. Dados piores que o esperado sobre o mercado de trabalho nos Estados Unidos aumentaram a cautela dos investidores com a recuperação da economia do país e fazem as Bolsas no exterior caírem hoje.

O índice Ibovespa, que reflete os preços das ações mais negociadas, cai 0,89%, aos 67.804 pontos. Na quinta-feira, a Bovespa fechou em alta de 0,20%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones cai 1,29%.

O dólar comercial registra alta de 0,39%, em R$ 1,761. A taxa de risco-país marca 204 pontos, número 0,49% acima da pontuação anterior.

O Departamento do Trabalho divulgou que 131 mil vagas de emprego foram cortadas no mês passado, embora a maioria delas fossem postos temporários. O setor privado contratou apenas 71 mil trabalhadores no mês, bem abaixo dos 90 mil esperados pelos economistas.

A taxa de desemprego persistentemente alta é a maior influência negativa para a economia norte-americana atualmente, e tem sido foco dos investidores.

A taxa de desemprego se manteve em 9,5% pelo segundo mês seguido, abaixo das previsões para uma taxa de 9,6%. A estabilidade da taxa se deve, em grande parte, à redução da força de trabalho, com mais pessoas desistindo de procurar emprego.

Na Europa, a Bolsa de Londres fechou em baixa de 0,62% enquanto a Bolsa de Frankfurt registrou queda de 1,16%.

A Itália divulgou hoje que registrou expansão de 0,4% em sua economia no segundo trimestre de 2010, na comparação com os três meses imediatamente anteriores ficando em linha com as previsões. O número segue a expansão de também 0,4% no primeiro trimestre.

No Brasil, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou que a inflação oficial usada pelo governo, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), ficou praticamente estável em julho, registrando variação de 0,01%. Em junho, o índice havia ficado estável.

Em julho de 2009, a inflação havia sido de 0,24%. Nos últimos 12 meses, o IPCA acumula alta de 4,6%, quase no centro da meta (4,5%) determinada pelo governo federal. No ano, o índice registra elevação de 3,1%. 

Fonte: Folha Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *