BM&F: café cai 8,06% em junho e 17,4% no ano

Imprimir

Depois de sofrerem com preços firmes em plena safra no primeiro quadrimestre do ano, os frigoríficos de carne bovina do país viram o mês de junho consolidar a perspectiva de entressafra salgada, com oferta mais restrita de boi. Com base nos contratos futuros de segunda posição de entrega na BM&FBovespa, o preço médio do boi gordo subiu 3,62% em junho (o balanço foi fechado ontem) na comparação com a média do mês anterior, para R$ 100,76 por arroba. 

Entre os cinco produtos agropecuários negociados na bolsa paulista, o boi gordo é o único que registra alta em 2013, de 6,42%. Nos últimos 12 meses, a valorização é de 6,15%. Em intensidade menor, os contratos futuros de milho também se valorizaram em junho. Na comparação com a média de maio, o preço do grão subiu 1,72%. Em 2013, no entanto, o preço médio do milho tombou 21,6% pressionado pelas safras recorde no Brasil e nos EUA. Os contratos futuros de etanol, por sua vez, seguiram na tendência de queda em junho, refletindo a maior produção de cana-de-açúcar na safra 2013/14 no Centro-Sul do país, principal região produtora de açúcar e etanol.

Desde o início da safra, no fim de março, até 1º de junho, o processamento de cana na região totalizou 116,1 milhões de toneladas, salto de 63,9% ante o mesmo intervalo do ciclo anterior, segundo estimativas da consultoria Datagro. Diante disso, os papéis negociados na bolsa paulista reagiram, caindo 1,1% em junho na comparação com a média de maio. No ano, os contratos caíram 10,2%.

No caso do café, a preocupação com os elevados estoques globais impactou os preços mais uma vez. Em junho, a cotação média da commodity sofreu uma queda de 8,06% ante maio, e de 17,4% no ano.

Fonte: AgnoCafé via Costa Comissária

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *