Atenção, produtor: hora de fazer o controle da principal praga dos cafezais

Imprimir
A safra de conilon está se formando e a broca-do-café começa a ameaçar as lavouras do Espírito Santo. Diante disso, o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) adverte: este é o momento ideal para fazer o controle da principal praga dos cafezais.

“A broca é um besourinho que ataca o grão verde completamente formado, conhecido como chumbão. Ataca também os frutos em maturação, maduros e secos. Nesta época, a broca ainda está na coroa do fruto e não conseguiu penetrar até a semente. Por isso, esta é a época ideal para fazer o controle. Depois que ela entra na semente, não tem inseticida atualmente registrado que a alcance”, disse Cesar José Fanton, entomologista do Incaper, lembrando que esse período favorável para o controle se estenderá por cerca de 10 a 15 dias.

Antes de fazer o controle da broca, o cafeicultor deve verificar a incidência da praga. “Se for constatada a presença da broca em 3% dos frutos mais desenvolvidos (chumbões), o cafeicultor pode fazer o controle. Vale ressaltar que a atenção ao momento da aplicação e as boas práticas na hora de pulverizar a lavoura são aspectos tão importantes quanto a qualidade do produto escolhido, que pode ser recomendado por um engenheiro agrônomo”, acrescentou Fanton.

A broca-do-café perfura a semente e deposita seus ovos. As larvas se alimentam daquela semente e os grãos ficam completamente comprometidos. Um ataque de broca pode reduzir de 10% a 20% da produção, além de afetar a qualidade do café. “Quanto mais grão brocado, mais defeito tem o café e mais baixo fica o preço no mercado. A broca frustra um negócio que poderia ser promissor”, destacou.

Em trabalhos de pesquisa desenvolvidos pelo Incaper, foi constatado o aumento da população da broca-do-café nas lavouras capixabas na Região Norte do Espírito Santo, onde se concentra a maior parte da produção de conilon do país. Foram feitos levantamentos nas Fazendas Experimentais de Marilândia e de Sooretama, ambas do Incaper, e também em propriedades particulares nos municípios de Linhares e Sooretama. “Verificamos que, este ano, diferentemente do que aconteceu nos anos anteriores, a população da broca-do-café aumentou demais. Por isso, recomendamos que seja feito o controle”, disse o pesquisador.

A alta incidência da broca está relacionada com as condições do tempo, entre outros fatores. “A seca severa que ocorreu no Espírito Santo de 2014 ao início de 2017 foi desfavorável à ocorrência de diversas pragas na cultura do cafeeiro. A renovação das lavouras, a regularização das chuvas e o aumento da produção este ano foram algumas das condições favoráveis ao aumento da população da broca dos frutos”, explicou Renan Queiroz, que também é entomologista e pesquisador do Incaper.

“As lavouras abandonadas ou talhões pouco produtivos que não foram colhidos na safra passada e a ocorrência de chuvas acima da média nos meses considerados de seca este ano, entre maio e agosto, favoreceram o aumento da população da broca nos frutos. Agora ela está migrando, na chamada ‘época de trânsito’, quando a broca abandona os frutos em que se desenvolveu e procura frutos novos para se multiplicar”, detalhou Renan.

Juntos, Renan e Fanton elaboraram uma nota técnica, que circulou entre os profissionais do Incaper de todo o Estado. Desta forma, todos os municípios capixabas possuem informações adequadas para prestar assistência aos produtores rurais de base familiar do Espírito Santo. Se o cafeicultor tiver alguma dúvida a respeito da incidência da broca-do-café na lavoura, deve procurar o Escritório do Incaper do município onde mora.

Fonte: Coordenação de Comunicação e Marketing do Incaper

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *