ASSUL promove reunião com presença de deputado estadual em Guaxupé

Imprimir
O deputado estadual Antonio Carlos Arantes (PSDB) e o diretor da Assessoria Jurídica da FAEMG, Francisco Simões, participaram sábado (8/7), da reunião ordinária da Assul (Associação dos Sindicatos Rurais do Sul de Minas) ocorrida na sede da Associação dos funcionários da Cooxupé, em Guaxupé.

Eles foram recebidos pelo vice-presidente da ASSUL, Romeu Andrade Mendes Filho, e o primeiro-secretário, Eduardo de Carvalho Pena, pois o presidente Arnaldo Bottrel, por problemas particulares, não pode participar da reunião.

Romeu Andrade agradeceu a presença do deputado, um grande amigo e ferrenho defensor do homem do campo. “Obrigado, deputado, por sempre nos acompanhar e pela defesa que o senhor faz do produtor rural onde quer que esteja, seja na Assembleia ou no não” falou o vice-presidente da ASSUL.

Em sua fala, Antonio Carlos expôs sua preocupação com a segurança no campo. Para o parlamentar, o governo está jogando a responsabilidade em cima do produtor rural. “O governo está incentivando o programa Fazendas Protegidas, mas só isso não resolve. Esse programa ajuda a Polícia Militar a chegar mais rápido ao local do crime, mas na maioria das vezes a polícia não tem como chegar, faltam combustível e manutenção em suas viaturas” descreveu Arantes.

O deputado voltou a criticar a política financeira do governo Pimentel, que diminuiu drasticamente os investimentos na área de segurança. “Se o governador deixasse de pagar salários de 90, 80, 60 mil reais para os amigos do PT, resolveria boa parte dos problemas da segurança no Estado. O governo Pimentel está saqueando o Estado, ao estilo do PT”, acusou Arantes.

Antonio Carlos falou sobre outros assuntos na reunião. Ele chamou a atenção dos presidentes de sindicatos presentes para a visível baixa no Lago de Furnas. Para o deputado, o governo federal, através de Furnas, está usando as águas do lago para gerar energia para o Nordeste e, se nada for feito, em outubro toda esta área sofrerá com a falta de água e de energia. “Se não fizermos nada eles vão esvaziar o lago e poderemos ter um colapso na região”, alertou o deputado.

Arantes falou, ainda, sobre alguns pontos negativos da Lei Kandir que poderão prejudicar o produtor rural. “Não sou contra a Lei Kandir, sou contra quererem transferir para o produtor já sofrido a conta disso”, encerrou Arantes.

O diretor da Assessoria Jurídica da Faemg, Francisco Simões, enalteceu o trabalho do deputado. “Antonio Carlos Arantes sempre foi parceiro do produtor rural. Ele é nosso porto seguro dentro da assembleia, seu gabinete, seus funcionários estão sempre à disposição da FAEMG. Temos que agradecer toda a ajuda do deputado, além de ele ser um excelente canal junto ao Ministério do Trabalho”, relatou Francisco, que também expôs alguns pontos polêmicos sobre o Funrural.

O advogado explicou aos presidentes de sindicatos e diretores da Cooxupé todas as questões envolvendo a cobrança do Funrural. Para Francisco Simões, a audiência pública realizada na Assembleia a pedido de Antonio Carlos, foi de suma importância, pois levou a todos os desdobramentos da questão desde que o STF decidiu para a legalidade da cobrança do imposto. Os deputados federais presentes à audiência expuseram os pontos mais relevantes da Medida Provisória que está sendo elaborada e deve ser publicada em breve com o objetivo de minimizar os impactos negativos sobre o produtor rural.

Fonte: A Folha Regional

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *