20ª Edição do Encontro Sul Mineiro de Cafeicultores reúne centenas de produtores de diversas localidades

Imprimir
Mais de mil inscrições, nove estações de campo, 60 estandes, visitantes de 140 cidades de dez estados brasileiros e até presenças internacionais, advindas de países como Honduras, Nicarágua e Japão. Este é o saldo da edição comemorativa de 20 anos do Encontro Sul Mineiro de Cafeicultores, que aconteceu na área física da Agência de Inovação do Café (InovaCafé), no campus da Universidade Federal de Lavras (UFLA), no dia 03/05.

Vista geral da feira e da montagem dos estandes (Foto: Divulgação/Ascom InovaCafé)

O evento, concebido pelo Núcleo de Estudos em Cafeicultura (Necaf) do Departamento de Agricultura (DAG/UFLA) em 1995, contou com os seguintes realizadores em 2018: Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa), por meio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater/MG), UFLA, Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão (Faepe), além do próprio Necaf.

A edição teve como apoiadores a InovaCafé, a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), a Prefeitura Municipal de Lavras, o Grupo de Estudos em Herbicidas, Plantas Daninhas e Alelopatia (GHPD), o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do Café (INCT do Café), a Fundação Procafé, o Núcleo de Estudos em Pós-Colheita do Café (Pós Café) e a dupla Maycon & Landell. Destaque, ainda, para os patrocinadores Calcário Solo Fértil, TDI Máquinas, LS Tractor, Sicoob Central Credminas, Stihl, Viça Café, Yoorin Fertilizantes, Ribeiro Secadores de Café, DuAlto Imagens Aéreas, Café do Brasil, Cachaça João Cassiano, Minasul, Cocatrel e Fiat/Lavelli.

Equipe do Necaf se reúne para foto oficial (Foto: Divulgação/Ascom InovaCafé)

A programação contemplou abertura oficial, estações de campo e estandes de núcleos de estudos, empresas juniores da UFLA e empresas patrocinadoras, que promoveram aos produtores conhecimentos sobre técnicas e inovações ligadas não somente à cafeicultura, mas ao agronegócio como um todo.

Abertura
Antes do início das atividades de campo, houve composição de dispositivo de honra pelas seguintes autoridades: Pró-Reitor de Extensão e Cultura da UFLA, João José Granate de Sá e Melo Marques; vice-prefeito de Lavras e secretário municipal de Assuntos Rurais, Edson Alves de Abreu; chefe do Departamento de Agricultura (DAG/UFLA), Rubens José Guimarães; chefe do Setor de Cafeicultura do DAG, Virgílio Anastácio da Silva; chefe de gabinete da Prefeitura Municipal de Cristais, Leonardo Oliveira; diretor da InovaCafé, Luiz Gonzaga de Castro Júnior; coordenador do INCT do Café, Mário Lúcio Vilela de Resende; coordenador geral do Necaf, acadêmico Vinícius Leite; superintendente regional da Emater, Marcos Fabri Júnior; coordenador do Programa Estadual de Pesquisa em Cafeicultura da Epamig, César Elias Botelho; e chefe de pesquisa da Unidade Epamig Sul de Minas, Rogério Antônio da Silva.

Dispositivo de honra contou com diversas autoridades (Foto: Divulgação/Ascom InovaCafé)

Os pronunciamentos foram abertos com a fala de Vinícius Leite, que lembrou que a primeira edição do evento ocorreu no mesmo ano de criação do Necaf. “É com muita alegria que chegamos, hoje, à 20ª edição do Encontro Sul Mineiro de Cafeicultura, ao longo de 23 anos. Ninguém jamais imaginou a proporção que este evento tomaria. Ele é fruto da garra e da dedicação de muitas pessoas, e me permito fazer, aqui, um agradecimento especial aos meus irmãos do Necaf”, disse. O acadêmico ainda mencionou a parceria dos Núcleos de Cafeicultura do Brasil.

O pró-reitor de Extensão e Cultura da UFLA, João José Granate de Sá e Melo Marques, no ato representando o reitor José Roberto Soares Scolforo, ressaltou a importância dos produtores. “Vocês são o motivo da existência das atividades de extensão e da própria universidade. Agradeço imensamente por acreditarem e abraçarem a proposta deste evento”. Já o representante da Emater, Marcos Fabri Júnior, lembrou que a parceria entre UFLA e sua instituição vem de mais de 60 anos, com ações voltadas ao atendimento ao produtor. “Trabalhar com a cafeicultura é uma honra. Mas não estamos aqui comemorando a atividade ou o produto, mas sim os cafeicultores, que fizeram do Sul de Minas a maior região produtora de café do planeta”, destacou. Fabri ainda mencionou que o evento é uma importante ferramenta de aquisição de novos conhecimentos, acesso às tecnologias e troca de informações, auxiliando no melhor planejamento da atividade.

O chefe do DAG e tutor do Necaf, professor Rubens José Guimarães, fez uma fala emocionada, agradecendo ao funcionário do setor de Cafeicultura, José Maurício da Silva, em processo de aposentadoria. “Você é parte de tudo o que está acontecendo aqui”. Guimarães lembrou da idealização da primeira edição do evento, feita conjuntamente com José Ferreira Cambraia (Emater) – outro homenageado na solenidade – com o intuito de reunir produtores de café em um grande evento. A proposta cresceu tanto que, em 2000, passou a integrar o Circuito Mineiro de Cafeicultura, com disseminação para outras regiões cafeeiras do Estado. “Somos a maior região produtora de café do mundo. E estamos todos aqui por vocês, cafeicultores, que trabalham, diuturnamente, em prol dessa grande locomotiva da economia brasileira”, finalizou.

O professor Virgílio Anastácio também recebeu homenagem pela parceria de anos como orientador de atividades do Necaf.

Palestras de Campo
O turno da tarde foi destinado às estações de campo, ministradas por docentes e discentes da UFLA e por pesquisadores e extensionistas de instituições ligadas à promoção da atividade cafeeira. Todos os inscritos puderam percorrer as nove estações disponíveis. O casal de produtores Aluísio Vicente Ayusso e Solange Carvalho, de São Carlos/SP, foi um dos interessados pelo percurso. “Já participamos de outras edições do Circuito e viemos pela primeira vez aqui. Buscamos informações sobre tecnologia, aumento de produtividade e redução de custos e, com certeza, voltaremos com preciosos conhecimentos na bagagem, já que somos produtores na região do Cerrado Mineiro”, destacou Ayusso.

Casal de cafeicultores considerou o evento muito produtivo (Foto: Divulgação/Ascom InovaCafé)

A palestra “Agricultura de precisão com o uso de VANT’s (Veículos Aéreos Não Tripulados” ficou a cargo dos representantes da Emater Péricles Marques (Poços de Caldas) e Francisco Carlos Pedro (Campo Belo). A dupla explanou sobre a tecnologia suíça de uso agrícola, que permite cobrir centenas de hectares em um único vôo e acompanhar a cultura do início ao fim da produção.

Outra atividade, intitulada “Boas práticas de pré e pós colheita”, foi conduzida pela representante da Emater, Sara Maria Chalfoun. Ela abordou algumas práticas necessárias para o aumento da produtividade, a redução de custos e a melhoria da qualidade. Como desafio, ela citou o desenvolvimento de todas as etapas do processo dentro das boas práticas, destacando que a qualidade não é intrínseca somente ao café, mas a toda a atividade produtiva.
A estação “Cultivares Procafé”, coordenada por Iran Bueno Ferreira e Carlos Henrique Siqueira, de Varginha/MG, trouxe a temática de variedades de cafés, como Arara e Acauã Novo, de alta produtividade e resistência à ferrugem. Eles deram dicas sobre o que é importante verificar na variedade, a necessidade de se checar a adaptabilidade à região, ao tipo de produtor, ao sistema de plantio e manejo, bem como de se considerar resultados de experimentos em regiões mais próximas.

Outra palestra de campo tratou do “Manejo da fertilidade do solo”, com orientações de Estevam Reis e Tainah Freitas, ambos do Necaf. Eles informaram que a análise do solo deve ser feita para conhecer o teor de nutrientes, textura e matéria orgânica. Explicaram, ainda, sobre técnicas de calagem, destinada a corrigir o PH do solo e aumentar a disponibilidade dos nutrientes, e gessagem, que visa propiciar condições adequadas ao crescimento na subsuperfície, fornecendo nutrientes em camadas mais profundas.

Produtores tiveram acesso a nove estações de campo (Foto: Divulgação/Ascom InovaCafé)

A estação “Manejo de podas”, coordenada por Thales Barcelos, do Necaf, trouxe conhecimentos sobre as possibilidades de recuperação da lavoura. Ele explicou sobre a poda recepa, a mais drástica e que prevê a recuperação da saia da planta; o esqueletamento, que é o corte que estimula o brotamento de novas hastes; o desponte, arrancando apenas a ponta do ramo; e decote, corte na parte superior após o esqueletamento.

A palestra “Manejo de terreiros”, ministrada por Murilo Tosta e Rodrigo Pieroni, do Núcleo de Estudos em Pós Colheita do Café (Pós Café), trouxe conselhos como a importância de se tomar cuidado no início da secagem, a fim de manter os cafés grão a grão, sem revolvimento, evitando a ocorrência de fermentação. Também houve instruções sobre o momento oportuno de fazer a dobra da camada de secagem.

Na estação “Manejo integrado de pragas: Broca e Bicho mineiro”, conduzida por Geraldo Carvalho (UFLA), foi possível ter informações sobre as principais pragas do cafeeiro. O ácaro, por exemplo, prejudica a quantidade de frutos e interfere na qualidade da bebida, pois acelera o amadurecimento. Causa, ainda, prejuízo com a desfolha do café e é comum no período da seca, sendo de difícil percepção. Ressaltou-se a necessidade de se fazer o monitoramento da lavoura e o controle químico de forma seletiva.

A estação “Plantas de cobertura”, coordenada por Ademilson Alecrim, do GHPD, tratou dos benefícios proporcionados por plantas como Braquiária, Feijão-de-porco, Crotalária, Mucuna-Preta, entre outras. Elas auxiliam na manutenção da umidade, menor evaporação, maior fotossíntese, menor escoamento superficial, maior infiltração, fixação de nitrogênio, ciclagem de nutrientes, controle de plantas daninhas, além de auxiliar no aumento da produtividade.

Encerrando as estações de campo, também aconteceu a palestra “Resistência de Cultivares”, ministrada por Mário Lúcio Vilela, do INCT do Café. Ocorreu visita guiada à vitrine de cultivares, com mais de 30 cultivares diferentes, com foco na resistência contra a ferrugem graças à implementação de programas de melhoramento. Além disso, foram destacadas cultivares com potencial de produção de cafés especiais.

Fonte: Ascom InovaCafé

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *