Tempo seco pode antecipar a colheita da próxima safra de café

Imprimir
Os próximos dias devem ser marcados por poucas chuvas que tendem a ocorrer de modo isolado na maior parte do país. Nas regiões cafeeiras deve prevalecer o tempo seco que pode antecipar a colheita da atual safra. Confira o prognóstico elaborado pelos pesquisadores Williams Ferreira (Embrapa Café/ EPAMIG) e Marcelo Ribeiro (EPAMIG).

O fenômeno ENOS

Ao longo do mês de março as temperaturas da superfície do oceano permaneceram abaixo da média em todo o Pacífico central e leste equatorial. Pouco abaixo da superfície dos oceanos, grande parte do Pacífico central ao leste tropical se aqueceu nos últimos meses chegando a temperaturas próximas de valores médios e podem chegar a valores quase normais ao longo desse outono. Os atuais índices atmosféricos também têm estado em níveis ENOS neutros, todavia, alguns modelos consideram a possibilidade de um evento La Niña mais próximo ao final do ano (Figura 1).

Figura 1. Temperatura média da superfície do oceano, em °C, ao longo do mês de março

As chuvas nos próximos três meses

Nos próximos meses as chuvas deverão ficar pouco abaixo da média nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, sendo a maior probabilidade existente para os últimos dois Estados. Maior volume de chuva é esperado para as regiões Centro amazonense, Norte amazonense e o baixo Amazonas, sendo este último no Pará. Nas demais regiões do Brasil é esperado que as chuvas ocorram dentro dos valores médios normais para o período.

As temperaturas nos próximos três meses

É esperado que nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul as temperaturas fiquem pouco acima da média nos próximos meses, sendo que em julho as temperaturas no Triângulo Mineiro poderão também ocorrer pouco acima da média do mês. Nas demais regiões é esperado que as temperaturas ocorram dentro da média normal do período. De modo geral as temperaturas tendem a ser mais altas do que o normal para o período na Região Sudeste.

O café

Na atualidade existe um déficit na oferta de café no mundo todo. A cafeicultura brasileira, que mais produz o grão no mundo, além da expectativa da colheita de uma safra menor do que a passada ainda sofre com o tempo seco.

O atual clima, caracterizado por pancadas de chuvas isoladas, com previsão de pouca chuva nos próximos meses poderá estimular a antecipação da próxima safra. Diante do provável quadro futuro, o produtor precisa cuidar mais ainda da sua colheita para obter cafés de qualidade, pois nestes tempos de escassez do produto poderá conseguir bons preços na atual safra.

Frente ao atual cenário, deve-se lembrar que o ponto de maturação dos frutos para colheita é de fundamental importância para a obtenção de um café com potencial para produção de bebida de qualidade.

Recomenda-se que o produtor faça um bom monitoramento da maturação dos talhões para colher a maior quantidade possível de cafés cereja. Caso seja possível, deve ser adotada a coleta seletiva, tanto na colheita manual, quanto na mecanizada.

Como está muito próxima a época da colheita do café, o produtor deve verificar o funcionamento dos motores e a lubrificação e engraxamento de derriçadeiras e de todos equipamentos utilizados no processamento do café. Deve verificar também a disponibilidade de materiais de colheita como panos, sacarias, peneiras, lonas, barbantes, rodos, garrafas térmicas, entre outros.

Prognóstico

A análise e o prognóstico climático aqui apresentados foram elaborados com base na estatística e no histórico da ocorrência de fenômenos climáticos globais, principalmente, daqueles atuantes na América do Sul. Considerou-se também as informações disponibilizadas livremente pelo NOAA; Instituto Internacional de Pesquisas sobre Clima e Sociedade — IRI; Met Office Hadley Centre; Centro Europeu de Previsão de Tempo de Médio Prazo — ECMWF; Boletim Climático da Amazônia elaborado pela Divisão de Meteorologia (Divmet) do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) e com base nos dados climáticos disponibilizados pelo Inmet (5º Disme)/CPTEC-Inpe.

O prognóstico climático faz referência a fenômenos da natureza que apresentam características caóticas e são passíveis de mudanças drásticas. Desta forma, a EPAMIG e a Embrapa Café não se responsabilizam por qualquer dano e, ou, prejuízo que o usuário possa sofrer, ou vir a causar a terceiros, pelo uso indevido das informações contidas na presente matéria. Portanto, é de total responsabilidade do usuário (leitor) o uso das informações aqui disponibilizadas.

¹Pesquisador da Embrapa Café/EPAMIG Sudeste na área de Agrometeorologia e Climatologia, atua principalmente em pesquisas voltadas para o tema Mudanças Climáticas Globais e cafeicultura. – williams.ferreira@embrapa.br

²Pesquisador da EPAMIG na área de Fitotecnia, atua em pesquisas com a cultura do café. mribeiro@epamig.br 

Fonte: Ascom Epamig