Indústria alerta para “apagão” de fertilizantes

Imprimir

A escalada das cotações internacionais dos grãos nos últimos meses de 2010 pode levar o Brasil a um novo apagão no setor de fertilizantes no primeiro semestre do ano que vem. O alerta vem da indústria, que prevê aumento na demanda por defensivos agrícolas em 2011. O consumo nacional deve somar 24,5 milhões de toneladas neste ano (aumento de 8,9% ante 2009) e continuar crescendo em 2011, superando o recorde registrado há três anos, quando o volume vendido beirou 25 milhões de toneladas, conforme a Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda).

Como cerca de 70% do nitrogênio, do fósforo e do potássio (NPK, principal formulado) usados nas lavouras brasileiras vêm de fora do país, pode haver dificuldades caso o aumento da de­­manda interna se confirme. A capacidade de Santos e Parana­guá, principais portas de entrada dos fertilizantes importados, não acompanhou o crescimento do consumo de adubos, justifica o presidente do Sindicato da In­­dústria de Adubos e Corretivos Agrícolas no Estado do Paraná (Sindiadubos), José Carlos de Go­doi. “O problema de Parana­guá nem é tanto a eficiência do porto, mas sim o seu tamanho”, esclarece.

Perto de 45% dos fertilizantes importados pelo Brasil anualmente entram no país pelo terminal portuário paranaense, informa o dirigente. Além do Paraná, o produto que chega por Paranaguá atende também aos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo e Minas Gerais.

Godoi relata que os preços em alta estimulam o plantio de grãos e que, por isso, as vendas de adubos, que já estão aquecidas por causa do milho safrinha e do trigo, tendem a crescer ainda mais a partir de fevereiro, quando Mato Grosso começar a descer soja para Paranaguá. “Os produtores vão querer antecipar as compras para aproveitar o frete de retorno e isso pode causar congestionamentos no porto”, explica. “Se isso acontecer, pode causar falta de produto na fábrica, dificultando ou até atrasando a entrega do produto ao consumidor final”, prevê o presidente do Sindiadubos.

Segundo Godoi, um possível apagão portuário nos primeiros meses do ano que vem encareceria em US$ 18 o custo da tonelada dos produtos, alta que deve ser repassada ao produtor e tende a contaminar toda a cadeia produtiva, chegando inclusive ao consumidor.

Fonte: Gazeta do Povo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

bo togel terpercaya

situs togel terpercaya

situs togel terpercaya

10 situs togel terpercaya

situs toto

bo togel terpercaya

agen togel terpercaya

situs togel terpercaya

situs togel resmi

bandar togel online

bandar togel terpercaya

link togel

link slot dana

10 situs togel terpercaya

situs togel terpercaya

5 bandar togel terpercaya

situs toto

situs toto

bandar togel terpercaya

agen togel terpercaya

bo togel terpercaya

situs togel terpercaya

bandar togel terpercaya

slot deposit 5rb

situs toto

toto togel

situs toto

toto togel

situs toto

10 situs togel terpercaya

situs togel resmi