Exportação de café verde do Brasil cai 10,5% em 2021; perde US$ 465 mi por logística

Imprimir
A exportação de café verde do Brasil totalizou 36,29 milhões de sacas de 60 kg em 2021, queda de 10,5% em relação ao ano anterior, disse nesta segunda-feira o Conselho dos Exportadores de Café (Cecafé), citando problemas logísticos, menor volume colhido e adversidades climáticas sobre a safra.

Para 2022, a expectativa é de continuidade dos gargalos logísticos, mas demanda aquecida em mercados que tem ganhado importância, como a China.

As vendas externas do grão arábica alcançaram 32,65 milhões de sacas no ano passado, recuo de 8,3% ante 2020, enquanto as exportações de café robusta caíram 26,1% para 3,64 milhões na mesma comparação.

Segundo o conselho, parte da queda registrada no grão do tipo robusta, principalmente no segundo semestre do ano passado, se deve à demanda da indústria interna que demandou mais produtos desta variedade, devido aos problemas climáticos que atingiram as lavouras do arábica, com seca e geadas.

Considerando o produto industrializado, as vendas externas totais de café do Brasil chegaram a 40,37 milhões de sacas no ano passado, redução de 9,7% ante 2020.

Apesar da retração, o desempenho de vendas externas totais no ano passado representou o terceiro maior volume embarcado pelo país na história, e, em valores, o melhor nos últimos sete anos, refletindo os preços elevados no mercado e o câmbio favorável às exportações.

A receita total, incluindo o produto industrializado, subiu 10,3% no comparativo anual para 6,242 bilhões de dólares, mostraram os dados.

O conselho observou uma melhora no fluxo dos embarques em dezembro, motivada pelas remessas de carga fracionada via “break bulk”, mas os gargalos logísticos ainda pesaram sobre os resultados.

“Projetamos que o Brasil deixou de exportar cerca de 3 milhões de sacas e de receber aproximadamente 465 milhões de dólares em receita”, disse o diretor-geral do Cecafé, Marcos Matos, em teleconferência com jornalistas.

Segundo ele, alguns dos entraves continuam sendo a disputa por contêineres e espaço nos navios, problemas que tendem a permanecer ao longo deste ano e que não se restringem somente à cafeicultura, ou ao Brasil.

Um ponto que evidencia os impactos desses entraves é a redução no número de contêineres enviados ao exterior com café pelos exportadores brasileiros. No ano passado, foram embarcados 112.732 contentores, o que representa uma queda de 9,8% na comparação com os 125.034 remetidos ao longo de 2020, informou o Cecafé.

MERCADOS

De acordo com o conselho, no acumulado de 2021, o Brasil exportou café para 122 países. Os Estados Unidos lideraram o ranking ao importarem 7,781 milhões de sacas, volume 4,4% inferior ao aferido entre janeiro e dezembro de 2020 e que representou 19,3% dos embarques totais brasileiros no ano passado.

Entretanto, destaca-se a demanda de países produtores, como a Colômbia, e em mercados onde o consumo está em ascensão, como a China.

“A maior fatia de crescimento do consumo mundial tem sido nos países produtores… A China vem demandando cada vez mais do café brasileiro, mesmo com a pandemia, a situação atual é um caminho que não tem volta. Temos que estar muito otimistas”, disse o presidente do Cecafé, Nicolas Rueda.

A Colômbia, terceiro maior produtor de café do mundo, foi o sétimo principal destino das exportações brasileiras do produto em 2021. O país adquiriu 1,158 milhão de sacas, apresentando o maior crescimento em volume no intervalo, de 289.561 sacas, o que equivaleu a uma alta percentual de 33,4 pontos.

A China foi o segundo maior destaque nas compras do café brasileiro em 2021, atrás dos colombianos, incrementando suas importações em 132.003 sacas (+65%) na comparação com 2020. Nos 12 meses do ano passado, os chineses adquiriram 333.648 sacas do produto nacional.

Fonte: Reuters (Por Nayara Figueiredo; edição de Marta Nogueira)