Embrapa faz projeto de controle de pragas do café

Imprimir

A Embrapa Informática Agropecuária, sediada em Campinas-SP, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), vai desenvolver a pesquisa "Análise do risco de epidemias da ferrugem do cafeeiro, a partir de estações de avisos fitossanitários, com o auxílio de modelos de alerta da doença".

O objetivo é analisar e informar, por meio das estações de avisos fitossanitários da Fundação Procafé, o risco de epidemias da ferrugem do cafeeiro, com auxílio de modelos empíricos de alerta da doença. Os boletins servirão de apoio para a tomada de decisão sobre as medidas a serem adotadas para controle e o momento mais adequado para implementá-las.

O impacto desejado é contribuir para um controle racional da doença, auxiliando a identificar os momentos oportunos para a aplicação de fungicidas, no sentido de evitar o uso indiscriminado e desnecessário de agrotóxicos e reduzir os custos com esses produtos para os cafeicultores, além de diminuir o risco de contaminação humana e ambiental.

"Os sistemas de alerta de doenças de plantas ajudam a promover o uso racional de agrotóxicos, ao indicar as condições que favorecem ou deixam de favorecer uma doença, permitindo agir somente quando necessário", afirma o pesquisador da unidade Carlos Alberto Alves Meira, líder do projeto.

Ele explica que a ferrugem é a principal doença do cafeeiro. No Brasil, em regiões onde as condições climáticas são favoráveis à doença, os prejuízos atingem cerca de 35% da produção, em média, podendo chegar a mais de 50%. Daí a importância do desenvolvimento desses sistemas. "Esforços já foram realizados nesse sentido, mas poucos modelos foram validados e não se tem registro do seu uso continuado", complementa Meira.

A proposta da equipe é desenvolver os modelos de alerta a partir de uma infraestrutura de monitoramento de doenças e pragas do cafeeiro já existente na Fundação, que inclui um conjunto de estações meteorológicas, equipamentos, canais de comunicação e técnicos especializados.

Fonte: JB Online

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *