CNM deve votar nova proposta de preço mínimo do café

Imprimir

O Conselho Monetário Nacional (CMN) deve votar na próxima quinta-feira (28) proposta de aumento do preço mínimo do café dos atuais R$ 261,69 para R$ 340 a saca de 60 kg de grão da variedade arábica. Segundo fontes do Ministério da Agricultura, a proposta de aumento do preço mínimo, que leva em conta estudos sobre custos de produção elaborados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), ainda está sendo analisada pela área econômica do governo federal.

O CMN também deve apreciar a proposta do Ministério da Agricultura de escalonamento ao longo de 12 meses do vencimento das parcelas das dívidas dos financiamentos de estocagem contraídos com recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé). Atualmente as parcelas vencem a cada seis meses, o que estaria provocando uma pressão de oferta e derrubando ainda mais os preços do café.

Atualmente, os financiamentos concedidos pelo governo correspondem a estocagem de 1,1 milhão de sacas de café. As estimativas de mercado indicam que o estoque remanescente da safra colhida no ano passado está entre 3 milhões a 4 milhões de sacas.

Segundo fonte consultada pela reportagem, o governo estuda medidas de intervenção no mercado, que serão anunciadas "tempestivamente", para assegurar renda ao cafeicultor, seja por meio de leilões de opções de venda ou de prêmios para equalizar preços (Pepro).

Os representantes dos cafeicultores reivindicam do governo a realização de leilões de Pepro a partir de agosto para apoiar a comercialização de 8 milhões de sacas de café e pedem que o valor do prêmio seja de R$ 60,00/saca. Eles propõem que os leilões sejam realizados quando o preço do café no mercado estiver abaixo de R$ 380/saca.

Outra reivindicação é a liberação imediata de uma linha de crédito de R$ 900 milhões do Funcafé, equivalente a cerca de 3 milhões de sacas para financiamento de estocagem. Eles pedem também o retorno do programa de estoque regulador do governo federal para estocagem de até 9 milhões de sacas em três anos, com depósito do produto em armazéns credenciados da BM&F e da Conab.

Os produtores, por meio do Conselho Nacional do Café, estão preocupados, ainda, com a perspectiva de ampliação da área destinada à cafeicultura no Brasil, por meio de recursos públicos. Segundo o CNC, a liberação de financiamentos para novos plantios, pode prejudicar o delicado equilíbrio entre oferta e demanda, "provocando consequências negativas de aviltamento ainda maior nos preços pagos aos produtores".

Fonte: Agência Estado

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

dapurtoto

bo togel terpercaya

situs togel terpercaya

situs togel terpercaya

10 situs togel terpercaya

situs toto

bo togel terpercaya

agen togel terpercaya

situs togel terpercaya

situs togel resmi

bandar togel online

bandar togel terpercaya

link togel

link slot dana

10 situs togel terpercaya

situs togel terpercaya

5 bandar togel terpercaya

situs toto

situs toto

bandar togel terpercaya

agen togel terpercaya

bo togel terpercaya

situs togel terpercaya

bandar togel terpercaya

slot deposit 5rb

situs toto

toto togel

situs toto

toto togel

situs toto

10 situs togel terpercaya

situs togel resmi

bo togel terpercaya

bandar togel terpercaya

bo togel terpercaya

situs togel terbesar

situs togel terpercaya

bo togel terpercaya

bandar togel terpercaya

situs toto 4d

situs toto