Carvalhaes: Bolsas em alta e mercado físico de muita disputa por café de qualidade

Imprimir

As bolsas de futuro trabalharam em alta esta semana e o mercado físico de café no Brasil foi firme, com muita disputa por café arábica de boa qualidade. Os lotes de cereja descascada que chegaram ao mercado foram rapidamente comercializados a partir de quatrocentos reais por saca. A colheita da safra 2010/2011 esta praticamente terminada e todas as informações que chegam confirmam que o volume colhido ficou abaixo do esperado pelos operadores.

Com o estoque remanescente muito baixo para as necessidades do Brasil (como já dissemos, provavelmente o menor em muitas décadas, para não dizer o menor dos últimos cem anos), a produção deste ano será toda usada para atender o consumo interno e as exportações brasileiras deste ano-safra. Nosso consumo anual esta chegando a 20 milhões de sacas e as exportações devem passar de 32 milhões. Portanto precisaremos de 52 milhões de sacas, o que não sabemos se foi alcançado na colheita que esta terminando. No próximo ano, de ciclo baixo, a safra será menor.

Alguns analistas têm comentado que a firmeza do mercado se deve a falta de chuvas no sudeste brasileiro. Realmente tivemos um inverno quente e seco, com umidade relativa do ar abaixo da usual para as diversas regiões produtoras de café. A falta de chuva é grave e uma preocupação a mais para o mercado. No entanto, o mercado é firme refletindo a já apertadíssima situação estatística no Brasil e no mundo. Se a chuva chegar em boa quantidade nas próximas semanas poderá evitar uma situação explosiva, mas não evitará que a próxima safra brasileira fique abaixo desta e portanto insuficiente para as necessidades brasileiras.

Se as cotações caírem nas bolsas quando as chuvas chegarem, será por pouco tempo, pois a situação estatística prevalecerá. Se não chover até o final de setembro, não sabemos o que acontecerá com as cotações.

Os armazéns estão com muito serviço para enquadrar os lotes de café dentro do exigido pelos contratos de entrega futura. As dificuldades para embarques nos portos crescem a cada semana. O embarque da safra brasileira de açúcar esta levando a uma fila recorde no porto de Santos. Ontem, quinta feira, 129 cargueiros estavam fundeados em sua barra, aguardando para atracar nos terminais.

Até o dia 02, os embarques de agosto estavam em 85.549 sacas de arábica e 7.360 sacas de conillon, somando 92.909 sacas de café verde, mais 4.826 sacas de solúvel, contra 102.019 sacas no mesmo dia do mês anterior. Até o dia 02, os pedidos de emissão de certificados de origem para embarque em agosto totalizavam 394.966 sacas, contra 313.822 sacas no mesmo dia do mês anterior.

A bolsa de Nova Iorque – ICE, do fechamento do dia 27, sexta-feira, até o fechamento de hoje, sexta-feira, dia 03, subiu nos contratos para entrega em dezembro próximo, 810 pontos ou US$ 10,71 (R$ 18,56) por saca. Em reais por saca, as cotações para entrega em dezembro próximo na ICE fecharam no dia 27, a R$ 414,73/saca e hoje, dia 03, a R$ 428,57/saca. Hoje, sexta-feira, nos contratos para entrega em dezembro, a bolsa de Nova Iorque fechou com alta de 185 pontos.

Fonte: Escritório Carvalhaes

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *