Café volta a recuar em NY e fica abaixo dos 200 cents por libra

Imprimir

Os contratos futuros de café arábica negociados na ICE Futures US encerraram esta quinta-feira com quedas consideráveis, que fizeram a posição dezembro voltar a flutuar no intervalo de 190,00 centavos de dólar por libra.

Vendas especulativas e de origens e realizações de lucro estiveram na pauta do dia e pressionaram as cotações, principalmente na segunda metade do dia, depois que a primeira posição não conseguiu testar a máxima de sessão passada, em 203,55 centavos de dólar por libra peso.

Operadores destacaram que o mercado teve um dia de vendas que podem ser consideradas normais, principalmente após as valorizações recentes e também por alguns estímulos técnicos, já que o mercado passou a encontrar novas resistências que ainda não conseguiram ser suplantadas.

O cenário externo, que na quarta-feira teve um papel importante, foi neutro para o café nesta sessão, com as bolsas de valores nos Estados Unidos e com as commodities em geral ficando próximas da estabilidade, ao passo que o dólar voltou a dançar a antiga música e teve mais um dia de retração em relação a uma cesta de moedas internacionais. No encerramento do dia, o dezembro registrou queda de 370 pontos, com a libra a 196,60 centavos, sendo a máxima em 201,95 e a mínima em 196,30 centavos por libra, com o março tendo oscilação negativa de 355 pontos, com a libra a 198,60 centavos, sendo a máxima em 203,85 e a mínima em 198,20 centavos por libra.

Na Euronext/Liffe, em Londres, a posição novembro teve queda de 28 dólares, com 1.882 dólares por tonelada, ao passo que o janeiro registrou desvalorização de 21 dólares, com 1.914 dólares por tonelada. De acordo com analistas internacionais, os preços do café passaram a desacelerar depois de terem tocado a máxima de 204,60 centavos por libra, no último dia 26.

Uma queda foi observada na curva diária estocástica e no Índice de Força Relativa, o que pode ser uma sinalização de novas quedas ou de níveis sobrecomprados. Segundo os analistas, esse sinal é bearish (baixista) e pode indicar uma fraqueza dos preços. Adicionalmente, uma pequena "divergência baixista" é observada na linha do Índice de Força, já que, mesmo com os preços batendo nas máximas no dia 26 de outubro, essa linha não atingiu o seu maior nível, o que seria uma sinalização baixista.

Paul Hare, vice-presidente executivo do Linn Group, apontou que o recente rally do mercado pode ter sido "uma falsa indicação", já que os preços demonstram uma considerável instabilidade. "Eu recomendaria um pouco de cautela adicional neste momento, mas, mesmo assim, eu considero que seria interessante fazer algumas compras em determinados momentos", disse.

Considerando os gráficos de longo prazo, assim como os de tendência semanal e mensal, Hare aponta que os indicativos técnicos para o café continuam se mostrando positivos. O gráfico mensal da linha de outubro da ICE mostra um movimento para fora, que levou os preços para picos de alta.

As variações excedem, enfim, a movimentação do mês anterior e os níveis de valorização, apontou o especialista, são sinais técnicos positivos. Para Hare, o mercado tem um suporte mais forte na zona de 195,00 e 190,00 centavos e uma resistência mais consistente em 212,00 centavos.

Ana Elena Escalante, diretora executiva do Conselho, explicou que a falta de estoques de café é um dos fatores que tem proporcionado as altas. Recentemente, Brasil e Costa Rica informaram que deverão ter safras menores em 2010/2011, ao passo que a Colômbia e a América Central estão sofrendo com danos nas lavouras por conta das chuvas.

Esses elementos permitem que no mercado persista o temor da falta de oferta de café. "O comportamento dos preços deve manter a estabilidade, não temos informações que indiquem uma reversão de cenário", disse. As exportações de café do Brasil em outubro, até o dia 27 somaram 2.476.316 sacas, contra 1.885.797 sacas registradas no mesmo período de setembro, informou o Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil). Os estoques certificados de café n bolsa de Nova Iorque tiveram queda de 405 sacas, indo para 1.821.846.

O volume negociado no dia na ICE Futures US foi estimado em 28.349 lotes, com as opções tendo 2.257 calls e 2.538 puts. Tecnicamente, o dezembro na ICE Futures US tem uma resistência em 201,95-202,00, 202,50, 203,00, 203,50, 204,00, 204,25, 204,50 e 204,90-205,00 centavos de dólar por libra peso, com o suporte em 196,30, 196,10-196,00, 195,50, 195,00, 194,50, 194,00, 193,50, 193,00, 192,50 e 192,00 centavos por libra.

Fonte: AgnoCafe

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *