VBP da Agropecuária aponta crescimento de 3,5% em 2012

Imprimir

A renda do agronegócio mineiro deve fechar 2012 com alta de 3,5% em relação ao ano anterior, chegando a R$ 42,1 bilhões. A expectativa de crescimento ocorre apesar da queda de 12,9% observada pelo Índice de Preços Recebidos (IPR/MG), entre janeiro e junho, e do volume (-46,2%) e valor (-29,4%) das exportações no 1º semestre, comparadas a igual período de 2011.

Renda
A projeção do crescimento da renda bruta da agropecuária mineira, apurada pelo Valor Bruto da Produção (VBP), é explicada pelas atividades agrícolas, cuja estimativa é obter uma renda 6,2% maior este ano. Alguns produtos, como o café e o milho, registram crescimento do volume de produção ao ponto de compensarem a queda de preços observada no primeiro semestre. Outros, como soja, feijão e cana, crescem em volume e preços.

No segmento pecuário, apenas leite e ovos registram aumento de preços e volume este ano. Para o frango, o crescimento da oferta compensa, até o momento, a queda de preços, gerando aumento da renda bruta. Enquanto o boi gordo e o suíno têm queda de preços mais forte que o aumento de oferta. Desta forma, projeta-se para o segmento retração da renda bruta este ano (-0,8%).

Preços
O sobe e desce dos preços este ano tem como causa principal a crise econômica mundial e seus reflexos sobre o crescimento dos demais países, em especial os emergentes. Também sofre influência das especulações em torno de adversidades climáticas em diversas e importantes regiões produtoras ao redor do mundo, como a ocorrida no início do ano no sul do Brasil, Argentina e Paraguai, e, agora, nos Estados Unidos, Rússia e Austrália.

Dentre os principais produtos da agropecuária mineira, a soja e o feijão destacam-se pela forte alta dos preços no primeiro semestre (+44,5% e +46,5%, respectivamente), influenciada pelos problemas climáticos do início do ano. Já o preço do milho, com safra recorde apurada em Minas e no Brasil, decresceu 20,8% no período.

O café, também com estimativa de safra recorde, registrou, até julho, 27,9% de redução no preço. Com a colheita ainda no início, a redução de vendas externas até o momento contribui para a pressão negativa nos preços. Na pecuária, boi, frango e suíno registraram queda (-7,6%, -12,7% e -28%, respectivamente).

O IPR/MG acumula queda de 12,9% em 2012. Nos últimos 12 meses, o declínio é menor (-8,36%), pois ainda está sob influência dos bons resultados do segundo semestre de 2011.

Balança Comercial
Refletindo a crise econômica, as exportações do agronegócio mineiro no 1º semestre caíram em volume (46,2%) e valor (29,4%), na comparação com mesmo período do ano anterior. O mesmo ocorreu com as importações. No Estado comprou-se 56,24% menos, a um valor médio 30,76% menor. A diminuição de compras e vendas gerou queda de 29,28% no saldo.

Alguns dos produtos mais relevantes da pauta mineira registraram queda nas exportações: café (-24,37%), milho (-90,31%) e soja (-99,86%) e outros apresentaram um crescimento pífio: carne bovina (1,25%) e aves (3,7%). O destaque do semestre foram as vendas externas de carne suína, que aumentaram 96,25%, resultado alcançado principalmente com remessas para a Rússia, país que o ano passado embargou o produto oriundo dos principais exportadores brasileiros, como Santa Catarina.

Fonte: Assessoria de Comunicação do SISTEMA FAEMG

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *