Varginha ganha linha aérea para Zona da Mata, São Paulo e Sul do Brasil

Imprimir

O Sul de Minas recebeu, a partir desta quarta-feira, 3, o primeiro voo ligando a região a Juiz de Fora (MG), São Paulo (SP) e capitais do Sul do País. A nova rota, criada pela Trip Linhas Aéreas, será operada a partir do Aeroporto Major Brigadeiro Trompowsky, em Varginha. Os voos diários saem de Juiz de Fora, na Zona da Mata, passam por Varginha e seguem para São Paulo (SP), Joinville (SC), Criciúma (SC) e Porto Alegre (RS). A rota inversa também será oferecida diariamente, passando às 19 horas por São Paulo.

O Sul de Minas está sem voos regulares desde 2008, quando a Air Minas encerrou suas operações. ´Varginha e toda região crescem em ritmo acelerado´, afirma o prefeito Eduardo Carvalho ´Corujinha´ (PT). ´Temos mais de 50 empresas de grande porte na cidade e os executivos e diretores dessas companhias precisam de rapidez e agilidade para resolver seus negócios´, completa.

Entre as empresas destacam-se a Divisão Walita da Philips do Brasil, Grupo Polimport (CD da Polishop), CRW Plásticos, Indústria Mineira de Forjados, Steammaster, Plascar, Coleção Indústria e Comércio, Cooper-Standard Automotive do Brasil, Tormep Mecânica de Precisão, Empresas Tristão (Real Café), e Comercial Industrial Branco Peres de Café, entre outras. A receita tributária do município, em 2010, vai ultrapassar R$ 150 milhões, para um Produto Interno Bruto (PIB) superior a R$ 3 bilhões. ´Essa linha aérea irá agilizar o deslocamento de todos aqueles envolvidos com a indústria, o comércio, o agronegócio e o turismo de negócios´, completa Corujinha.

Os bilhetes já estão à venda no site da companhia aérea. A empresa vai atender à região com as aeronaves francesas ATR 42, com capacidade para 47 passageiros.

Segundo o diretor de Marketing e Vendas da Trip, Evaristo Mascarenhas de Paula, o interesse da empresa pelo Sul de Minas é antigo. ´Era a única região do Estado que não tinha cobertura, apesar de contar com cidades desenvolvidas como Varginha, Três Corações e Santa Rita do Sapucaí´, observa. Ele conta que ainda existe a intenção de criar uma rota para Belo Horizonte, mas a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) bloqueou todos os pedidos de novos voos para a Pampulha, enquanto conclui estudos sobre a capacidade operacional do aeroporto. Segundo Mascarenhas de Paula, a expectativa da Trip é de manter uma ocupação média diária em torno de 80% e 90%.

Logística e desenvolvimento humano

De acordo com Eduardo ´Corujinha´, a chegada de novos empreendimentos ao município se deve a um conjunto de fatores que passam pela infraestrutura da cidade, a logística e os incentivos para atrair investidores. Ligada a São Paulo e Belo Horizonte pela Rodovia Fernão Dias, uma das melhores do País, conta ainda com um aeroporto moderno, o maior do Sul do Estado, e um porto seco, o primeiro de cinco existentes em Minas Gerais.

Com IDH de 0,824, mantém índices elevados de qualidade de vida, educação e emprego, além de manter seis universidades em seu território.

Turismo

A indústria e a cafeicultura estimulam o turismo de negócios em Varginha, mas um fenômeno supreendente tem levado um público diferente até a cidade. Desde 1996, quando a população se mobilizou em torno da suposta aparição do ET de Varginha, a cidade entrou no roteiro mundial da ufologia. Atualmente, é o segundo caso de maior repercussão do segmento. O primeiro ficou conhecido como Caso Roswell, acontecido em 1947, quando um suposto Ovni teria caído no Estado do Novo México, nos Estados Unidos.

Graças ao ET de Varginha, cerca de 15% da ocupação hoteleira se deve ao fenômeno. Comerciantes e autoridades locais tiram proveito dessa repercussão e, após 14 anos, é presença obrigatória nas ruas do município. Os pontos de ônibus e a caixa d´água são temáticos. O reservatório foi projetado em forma de nave e, de longe, parece sobrevoar a cidade.

No comércio não faltam chaveiros, estatuetas, cartões postais e outras lembranças do ET. Hotéis, postos de combustíveis e lojas usam o tema como decoração. O novo anexo do aeroporto também segue o modelo de nave espacial. “Recebemos turistas do mundo inteiro em função dessa história”, diz Corujinha. ´São pesquisadores, estudiosos, curiosos e pessoas comuns que visitam o Jardim Andere, onde teria aparecido o ET, tiram fotografias dos monumentos e compram suvenires´, completa o prefeito. ´O ET é um patrimônio de Varginha. Promove por meio do turismo toda a cadeia produtiva multiplicadora da economia. Isso gera empregos e renda e movimenta o comércio. É um orgulho para a cidade´, conclui.

Segundo Corujinha, existe o projeto de construir o Museu do ET, com um planetário para atrair mais visitantes entre ufólogos, simpatizantes e curiosos. ´O ET nos ajuda a promover a cidade´, diz. 

Fonte: TV Uai

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *